Maseu ouvi dizer!

Espaço físico passivo com intuito de reflexão sobre fake news, e a sua refutação, bem como conteúdo informativo, num espaço online ativo.

Photo of Marina Outeiro
5 21

Written by

A que faixa etária pertences?

  • Tenho entre 18 e 25 anos

Termos e Condições Desafio Gulbenkian 25 sub 25

  • Sim, li e estou de acordo

Lista de verificação de elegibilidade

  • Na Ashoka, definimos agente de mudança como qualquer pessoa que se põe em acção para responder a um determinado problema, activa outros, e trabalha no sentido de encontrar soluções para o bem de todos. Se te consideras um(a) jovem agente de mudança assinala esta caixa.
  • Terás entre os 13 e os 25 anos em 7 de Outubro de 2020.
  • A tua ideia será implementada em território português.
  • Confirma que dás o teu consentimento para que possamos dar visibilidade ao teu projeto e percurso neste desafio, nas redes sociais.
  • Confirma que tens o direito de usar ou partilhar qualquer conteúdo que tenhas colocado neste formulário de candidatura.
  • Se tens menos de 18 anos, confirma que tens autorização dos teus pais ou encarregados de educação para participar neste desafio, através do formulário enviado por email, assinado.

Em que projeto das Academias Gulbenkian do Conhecimento estás a participar?

  • ASSOCIAÇÃO UNIVERSIDADE -TECMINHO - B-Side

Qual o mês e ano em que nasceste?

Mar-2000

Com que género te identificas?

  • Feminino

Website ou perfis de redes sociais

https://www.facebook.com/marina.geada/

Nas próximas nove perguntas irás apresentar a tua Ideia Criativa e Transformadora! 1. O Problema: Qual o problema que estás a contribuir para resolver?

O populismo e as fake news têm vindo a crescer de forma alarmante na nossa sociedade(DNRPT2020:75% dos inquiridos preocupados com a legitimidade de conteúdos digitais)seja pelo desemprego e medidas de austeridade das últimas décadas, como pelo contexto global de disparidades sociais, terrorismo, crises humanitárias e ambientais, e agora pandemia. Um espaço que informe o cidadão comum de uma forma acessível e alerte para os perigos da desinformação é urgente para reverter as tendências radicais. 

2. Motivação: O que te motivou a querer resolver este problema?

O atual recetor de notícias é “bombardeado” com tanta informação e contrainformação que acaba por aceitar como verdadeiro aquilo que mais vá de encontro com os seus pré-conceitos ou que lhe seja familiar. Neste contexto, cria-se um ciclo vicioso: as instituições jornalísticas escrevem artigos com base no clickbaite e os leitores descreditam as entidades e estatísticas oficiais.

Por isto, começam a surgir, ou a ganhar dimensão, ideologias radicais e extremistas, movimentos racistas e anarquistas. Ver este panorama a espalhar-se pela Europa, países tão próximos, foi uma das razões que motivou esta ideia, tal como documentários como “After Truth: Disinformation and the Cost of Fake News”, da HBO e “The Social Dilemma” da Netflix.

O populismo, que se dissemina através das fragilidades da sociedade, e se projeta pelos meios de comunicação social e redes sociais, nada mais é, pela falta de fundamentação científica e de coerência com outros valores e medidas que igualmente defende, do que um desestabilizador do sistema democrático, que tem de ser combatido.

3. A tua Solução: Como é que estás a planear resolver este problema?

O populismo dissemina-se através das fragilidades da sociedade, projeta-se pelos meios de comunicação social e redes sociais, e alimenta-se da desacreditação dos leitores nas entidades e estatísticas oficiais, e da perceção de informação e contrainformação.

Assim, criando um espaço físico com o intuito de reflexão sobre fake news na forma de um Museu da Desinformação, surge a oportunidade de mostrar ao público algumas das fake news mais cómicas da história (ataques alienígenas, vida na Lua ou monstros fantásticos), e de dar especial ênfase às notícias falsas que moldaram a sociedade pelas diferentes épocas históricas.

Depois de uma introdução cómica, os visitantes são alertados para os perigos da desinformação e da falta de sentido crítico, surgindo o mote para apresentar formas de interpretar as notícias, saber identificar as suas fontes e avaliar a credibilidade das mesmas.

Supletivamente, uma presença virtual e ativa do museu, face à presença passiva física, permitirá aumentar o alcance deste propósito e atuar como entidade imparcial e informativa: dando voz a fundamentação científica e dados estatísticos existentes, e fornecendo ferramentas para interpretação de notícias.

4. O Factor X: O que é que a tua ideia tem de diferente, em relação a outros programas ou soluções que já existem?

Embora já existam iniciativas, campanhas e debates sobre os impactos e formas de prevenção de fake news, não existe ainda um espaço que contextualize o problema e demonstre, ludicamente, que não é uma questão atual, mas sim um problema que com a nova sociedade global e comunicação em rede, ganha proporções manifestamente superiores. Para além disso, um museu permite alcançar um grupo alvo heterógeno, seja ao receber visitas escolares no âmbito da educação para a cidadania, como visitas de universidades sénior, e ao ter presença ativa nas redes sociais que, como sabemos, são globais.

5. Vais trabalhar em equipa? Se sim, coloca o nome e email dos restantes membros na linha em branco.

  • Sim

6.1. Em que distrito resides?

  • Distrito do Porto

6.2 E em que cidade, vila ou aldeia resides?

Paredes

7.1. Onde esperas implementar o projeto?

  • Distrito de Braga

7.2. Em que aldeia, vila ou cidade pretendes implementar o projeto? Porquê aí?

Esta ideia pretende ser posta em prática no Distrito de Braga, sendo que o alcance virtual poderá chegar a todos os portugueses. Esta zona foi selecionada, tanto pela proximidade geográfica dos membros da equipa que integram o projeto, como pela capital de distrito, a cidade de Braga, ser das cidades com mais jovens de Portugal (cerca de 46% da sua população). Alcançar este grupo etário é imprescindível para que as raízes da ideia se espalhem e mais tarde a comunidade possa colher os frutos, o sentido crítico e a procura da verdade material dos factos.

8. Impacto esperado: qual a mudança que esperas que a tua ideia provoque nas pessoas que vai servir?

Este projeto apela ao sentido crítico de cada um, nomeadamente à reflexão de toda a enchente de informação diária a que estamos sujeitos. O objetivo é que, ao ser confrontado com o impacto que uma notícia falsa pode ter, qualquer indivíduo faça uma autoanálise do seu papel nesse fenómeno, e, com as ferramentas apresentadas, o possa melhorar de forma a contribuir para um mundo mais transparente e informado. Assim, espero que a mudança se venha a traduzir num despertar do “partilhar” impulsivo, e numa exigência, por parte do leitor, de fontes e dados credíveis na informação rececionada. 

9.1. No último ano, fizeste algo para responder a um problema social ou ambiental, no teu contexto?

  • Sim

9.2. Qual das seguintes afirmações descreve melhor o tipo de iniciativa que tiveste?

  • Apoiei uma campanha ou movimento, já existente, de outra pessoa, ou reagi diretamente ao problema perto de mim. Exemplos: Assinei uma petição, juntei-me a um protesto ou manifestação, ensinei a língua local a refugiados, fiz voluntariado numa casa de acolhimento para sem-abrigo, doei comida/roupa aos sem-abrigo, etc.
  • Trouxe uma ideia ou movimento que já existia para a minha família, comunidade, escola ou empresa. Exemplos: Encorajei amigos/família a começar a reciclar, instalei baldes do lixo para reciclagem na comunidade local, comecei um clube para ensinar raparigas a escrever código no computador, liderei campanhas para informar eleitores, organizei um workshop ou evento comunitário sobre um tema que me preocupa/move, etc.

9.3. Estás a apoiar outros a serem agentes de mudança de alguma das formas aqui descritas?

  • Juntando pessoas
  • Fazendo advocacia
  • Contando histórias /Usando os Meios de Comunicação

5 comments

Join the conversation:

Comment
Spam
Photo of Paulo Silva
Team

Que bela proposta, Marina e Catarina! Assim se ajuda a desenvolver pensamento crítico.
A proposta já apresentada pela Gabriela parece-me fazer muito sentido. Parabéns!

View all comments