Com a cabeça na lua

Ensina a ler o mapa astral (fonte de autoconhecimento) para saber o que trará uma maior saúde mental e física a nível individual.

Photo of Mariana
0 1

Written by

A que faixa etária pertences?

  • Tenho entre 18 e 25 anos

Termos e Condições Desafio Gulbenkian 25 sub 25

  • Sim, li e estou de acordo

Lista de verificação de elegibilidade

  • Na Ashoka, definimos agente de mudança como qualquer pessoa que se põe em acção para responder a um determinado problema, activa outros, e trabalha no sentido de encontrar soluções para o bem de todos. Se te consideras um(a) jovem agente de mudança assinala esta caixa.
  • Terás entre os 13 e os 25 anos em 7 de Outubro de 2020.
  • A tua ideia será implementada em território português.
  • Confirma que dás o teu consentimento para que possamos dar visibilidade ao teu projeto e percurso neste desafio, nas redes sociais.
  • Confirma que tens o direito de usar ou partilhar qualquer conteúdo que tenhas colocado neste formulário de candidatura.
  • Se tens menos de 18 anos, confirma que tens autorização dos teus pais ou encarregados de educação para participar neste desafio, através do formulário enviado por email, assinado.

Em que projeto das Academias Gulbenkian do Conhecimento estás a participar?

  • U.DREAM

Qual o mês e ano em que nasceste?

Nov-1999

Com que género te identificas?

  • Feminino

Nas próximas nove perguntas irás apresentar a tua Ideia Criativa e Transformadora! 1. O Problema: Qual o problema que estás a contribuir para resolver?

A saúde e o bem-estar são questões essenciais, sem elas não temos a base para viver com qualidade. Acredito que ao falarmos da saúde mental, este problema exista devido à pouca importância que lhe é dada, porque é mais fácil ter uma perceção do que não está bem quando é algo visível e palpável. Na minha opinião, creio que quem sofre mais com isso são pessoas com baixa autoestima porque a saúde mental está dependente dos pensamentos e, se estes forem sem autocompaixão, serão muito destrutivos.

2. Motivação: O que te motivou a querer resolver este problema?

Tudo começou com a ida da U.DREAM à minha universidade no ano passado com o objetivo de recrutar novos membros. Quando vi que se tratava de algo que associei a voluntariado, quis muito entrar porque já à algum tempo ansiava poder fazer a diferença, contribuir na vida de outras pessoas, pois desde pequena adoro ajudar e ser útil. Ao entrar na U.DREAM, tomei uma maior consciência do que é ser uma agente de mudança, fui participando em campanhas e outras atividades de impacto social que me aqueceram o coração. Agora não quero deixar de contribuir para a comunidade! Este problema em específico saltou-me à vista porque a minha saúde mental nem sempre esteve no seu melhor, sei bem o que é passar por ataques de ansiedade e stress, sentir-me completamente sozinha, ter inseguranças sobre o meu potencial e não nutrir amor próprio. Creio que estas questões estejam bastante relacionadas à saúde mental e gostaria de ensinar aos outros como podem superar este problema pelo o qual também passei e evitar que próximas gerações passem pelo mesmo.

3. A tua Solução: Como é que estás a planear resolver este problema?

Tinha pensado que uma possível solução fosse ensinar a leitura do mapa astral, pois este elemento da astrologia espelha quais as energias e ações que poderemos adotar em diversas áreas da vida para que possamos ser autênticos e sentirmo-nos bem connosco próprios. Certamente que o modo de ensinar seria também através da Comunicação Não Violenta, uma criação de Marshall Bertram Rosenberg, que visa o estabelecimento de relações de parceria e cooperação, em que predomina comunicação eficaz, com empatia e compaixão. Dentro das 12 áreas da vida que se encontram no mapa astral, existem duas ligadas à saúde mental e física, outras ligadas ao amor próprio, talentos e inclusive à profissão, uma área que também pode ter um grande peso no nosso bem estar. Acredito que estas áreas poderiam ser o foco principal. Para haver esta capacidade de espalhar conhecimento, era importante encontrar quem quisesse aprender e ensinar para que assim houvesse um grupo de professores dispostos a instruir mais pessoas. Esta instrução tanto poderia ser feita somente para quem pretendesse aprender através de um curso ou arranjar forma de implementar no ensino como uma das disciplinas de aprendizagem do 2/3º ciclo.

4. O Factor X: O que é que a tua ideia tem de diferente, em relação a outros programas ou soluções que já existem?

A maior diferença está em privilegiar o autoconhecimento, algo pouco valorizado e de extrema importância, e, caso fosse viável implementar no ensino, passar esse conhecimento aos mais novos poderia torná-los em adultos conscientes do seu valor, de quem são e do que lhes faz bem, reduzindo assim possíveis problemas de saúde mental.

5. Vais trabalhar em equipa? Se sim, coloca o nome e email dos restantes membros na linha em branco.

  • Não

6.1. Em que distrito resides?

  • Distrito de Aveiro

6.2 E em que cidade, vila ou aldeia resides?

Oliveira de Azeméis

7.1. Onde esperas implementar o projeto?

  • Distrito do Porto

7.2. Em que aldeia, vila ou cidade pretendes implementar o projeto? Porquê aí?

Porto - Em época universitária, resido nessa mesma cidade, o que significa que já a conheço bastante bem e tenho possibilidades de acompanhar de perto e contribuir. Sendo a 2ª cidade mais habitada em Portugal, teria a possibilidade de impactar positivamente um maior número de pessoas.

8. Impacto esperado: qual a mudança que esperas que a tua ideia provoque nas pessoas que vai servir?

A 1ª imagem mental que me surge é estar na rua e ver toda a gente à minha volta a sorrir! Isto porque eu mesma ao aprender a ler o meu próprio mapa astral saio de casa radiante e super confiante, é uma sensação mesmo bonita! Para além de que, também graças à CNV (comunicação não violenta), acredito que haveria uma melhor comunicação na comunidade, as pessoas começariam a responsabilizar-se mais pelas suas ações e emoções e a ter uma maior consideração pelo outro.

9.1. No último ano, fizeste algo para responder a um problema social ou ambiental, no teu contexto?

  • Sim

9.2. Qual das seguintes afirmações descreve melhor o tipo de iniciativa que tiveste?

  • Apoiei uma campanha ou movimento, já existente, de outra pessoa, ou reagi diretamente ao problema perto de mim. Exemplos: Assinei uma petição, juntei-me a um protesto ou manifestação, ensinei a língua local a refugiados, fiz voluntariado numa casa de acolhimento para sem-abrigo, doei comida/roupa aos sem-abrigo, etc.
  • Trouxe uma ideia ou movimento que já existia para a minha família, comunidade, escola ou empresa. Exemplos: Encorajei amigos/família a começar a reciclar, instalei baldes do lixo para reciclagem na comunidade local, comecei um clube para ensinar raparigas a escrever código no computador, liderei campanhas para informar eleitores, organizei um workshop ou evento comunitário sobre um tema que me preocupa/move, etc.

9.3. Estás a apoiar outros a serem agentes de mudança de alguma das formas aqui descritas?

  • Contando histórias /Usando os Meios de Comunicação

Find this idea inspiring? Add your own!

0 comments

Join the conversation:

Comment