Palafitas

Imersões em família em comunidades tradicionais na floresta e na cidade

Photo of Mariana Brunini
19 14

Written by

Nome completo do(a) representante do projeto

Mariana Leitão Brunini

E-mail

maribrunini@gmail.com

Nacionalidade

Brasileira

Gênero

  • Feminino

Data de Nascimento

14021979

Comunidade I Conexão I Consciência 

Imersões em família em comunidades tradicionais na floresta e na cidade. 

O Futuro é Ancestral

Sede da organização (UF)

  • São Paulo

Site da organização

www.palafitas.co

Mídias sociais da organização

instagram.com/palafitas

Data em que você iniciou o projeto

05/2018

Estágio do projeto

  • Em crescimento (passaram das primeiras atividades; trabalhando para o próximo nível de expansão)

Elegibilidade I: Você atende a todos os critérios de elegibilidade?

  • Sim, eu tenho mais de 18 anos de idade.
  • Sou brasileira/o ou estrangeira/o residente no Brasil.
  • Tenho atuação direta e comprovada no projeto.
  • Não sou funcionário nem familiar de funcionários da Ashoka e da CTG Brasil.

Elegibilidade II: O projeto inscrito:

  • É um projeto já implementado e posso comprovar nas respostas, fotos e documentações a serem apresentadas nesta inscrição..
  • É um projeto que tem como foco pelo menos dois (2) dos quatro (4) pilares do turismo sustentável (social, cultural, ambiental e econômico) descritos na seção "Escopo e áreas de foco".

Ao se inscrever, você concorda que possamos apresentar seu trabalho nas mídias sociais e outras publicações da Ashoka e CTG Brasil, relacionadas ao Desafio?

  • Sim, eu concordo.

1) Viagem pessoal: qual a história por trás da decisão em iniciar este projeto?

Fui criada em SP pouco conectada à natureza, mas fascinada pelos povos indígenas e Amazônia, que via de forma distante e até inatingível. Aos 20 anos, fundei uma OSCIP com amigos para trabalhar a questão social na cidade e segui neste campo; durante anos trabalhei com investimento social em um grande banco e percebia o quanto as visitas ao campo me nutriam, principalmente o relacionamento com "beneficiários". Ao longo do tempo o desejo de migrar para a ponta só cresceu. Em uma crise pessoal, me separei, saí do banco e finalmente conheci a Amazônia, em um grupo organizado para conhecer o contexto de Belo Monte, o que me deixou desconcertada, querendo entender sobre a floresta para além das belezas naturais. Desde então passei a viajar com mais frequência para a floresta, movida por um desejo de conexão com a sua maior riqueza: Sua Gente. Em 2016 fui viver em Alter do Chão/PA, para desenvolver um projeto que conectasse pessoas urbanas, com a natureza, as pessoas e a vida em comunidade.

2) O problema: que problema você está ajudando a resolver?

Somos natureza. Os povos ancestrais já sabiam disso, mas desaprendemos a viver em harmonia com o planeta, nossa casa. A vida nas cidades está cada vez menos sustentável. Falta de tempo, ansiedade, catástrofes ambientais e pandemias são fruto da desconexão com o nosso interior, com o outro e com a natureza. A mudança é urgente. Palafitas tem 3 principais objetivos: 1.Engajamento socioambiental 2.Promover o protagonismo das comunidades 3. Propiciar uma rede de colaboração entre todos os envolvidos

3) Sua solução: como seu projeto responde a esse problema? Compartilhe sua abordagem específica.

Mais do que resgatar os saberes ancestrais, é preciso vivê-los. Palafitas realiza vivências em grupo em comunidades tradicionais para promover reconexão à teia da vida, entendendo a natureza não como fonte de recursos, mas como uma extensão de nós mesmos. Experiências de encantamento planejadas para apoiar o desenvolvimento local, trocas de saberes e fortalecimento de laços de afeto e cooperação. Valorizando a floresta, sua biodiversidade, povos locais, ancestralidade e cultura popular com o intuito que o Brasil assuma seu papel de protagonista no combate às mudanças climáticas. Atuamos tanto com os viajantes, quanto com as comunidades promovendo uma cultura de regeneração, através de: 1.Engajamento socioambiental 2.Protagonismo e autonomia das comunidades (geração de renda e desenvolvimento local) 3.Desenvolvimento de capital social: ampliação de potencialidades e cooperação dos atores envolvidos. Um dos nossos principais diferenciais está em nossa rede de clientes, pessoas dispostas a se abrirem para uma experiência de imersão de real conexão com o outro, reconhecendo a importância do Turismo de Base Comunitária para resistência dos povos tradicionais em seus territórios. O nome Palafitas é inspirado em um sistema de construção ancestral de casas adaptáveis aos ciclos e estações da natureza. São as habitações mais adequadas à crise climática por serem resistentes a enchentes. Palafitas faz pontes, promove um processo intergeracional, com famílias vivenciando Comunidade.

4) Que tal incluir um vídeo sobre sua iniciativa?

Palafitas com olhar 360° O futuro é ancestral!

5) Atividades: Destaque as principais atividades que você realiza no dia-a- dia do seu projeto.

Anualmente: Planejamento e definição do calendário de imersões 2.Articulação com as comunidades/cooperativas e fornecedores locais 3. Divulgação e vendas 4. Gestão do orçamento 5. Prospecção de parcerias com outros projetos sociais e regiões para concepção de novos roteiros 6.Atividades de comunicação/assessoria de imprensa/mídias sociais 7. Prospecção e inscrição em editais 8.Captação de recursos Para a imersão: a) Produção e atualização de preparo dos clientes: Guia do Viajante Palafitas (organização da mala, dicas de conduta para que a experiência seja proveitosa para todos os envolvidos, indicação de livros e filmes) b) reunião de integração entre o grupo c) Acompanhamento do grupo pós-imersão, animação de rede, sugestão de atividades ligadas aos temas vividos na imersão d) Acompanhamento constante e curadoria de conteúdos e notícias da região

6) Inovação: Qual inovação sua iniciativa está desenvolvendo ou adaptando para solucionar problemas na área do turismo? Como se diferencia de outras iniciativas no setor?

Palafitas tem a preocupação central de organizar as viagens com as comunidades locais, em um processo democrático desenvolvido a partir de estratégias dirigidas à mobilização e à participação dos envolvidos, com decisões conjuntas baseadas na escuta e diálogo, gerando renda e remuneração justa. Propomos uma iniciativa decolonial, onde o protagonismo dos povos tradicionais é uma premissa, uma escolha a favor da emancipação dos povos e da manutenção da floresta em pé. Durante a imersão é feito coletivamente o levantamento das necessidades e potencialidades das comunidades para o desenvolvimento de melhorias das atividades turísticas com o acompanhamento pela Palafitas. Buscamos sensibilizar e ampliar a visão de mundo dos atores, há aprendizado por parte de todos os envolvidos. As experiências são convites a vivenciar descobertas pelo próprio olhar, propiciando a tomada da consciência e mudança de hábitos em para um modo de vida mais sustentável. Inovamos no produto oferecido oferecendo uma vivência muito distinta da vida em grandes cidades, por meio do contato com a natureza, interação com os outros modos de vida e vida em comunidade (do próprio grupo que está indo viajar que resulta em uma incrível harmonia, entre as crianças, entre famílias, nos cuidados com os filhos). São experiências que proporcionam reflexões extremamente relevantes para a construção de uma sociedade mais justa. Além disso, procuramos elaborar roteiros de locais não turísticos criando uma nova categoria.

7) a) Pilares do Turismo sustentável: Quais dos seguintes pilares do Turismo Sustentável o seu projeto contempla?

  • Social - iniciativas que melhorem a qualidade de vida das comunidades envolvidas, que sejam capazes de contribuir em aspectos da educação, saúde, articulação social, diversidade e atuação das comunidades.  
  • Cultural - iniciativas que valorizem as identidades e culturas locais, a preservação das histórias e os saberes tradicionais.  
  • Ambiental - iniciativas que reduzam o impacto ambiental, que ofereçam soluções de compensação, que cuidem da conservação e do uso de recursos naturais, que se proponham a regenerar áreas degradadas e que promovam educação e sensibilização ambiental.     
  • Econômico - iniciativas que atuem a partir da proposta de desenvolvimento local, que gerem emprego e renda localmente, que valorizem fornecedores locais, que construam parcerias e que fortaleçam redes de produção e serviços junto a outros agentes locais.  

7) b) Pilares do Turismo Sustentável: explique como os pilares que sinalizou na pergunta anterior estão presentes na implementação do seu projeto.

Promovemos o protagonismo das cooperativas de turismo locais, fortalecendo o Turismo de Base Comunitária, buscando catalisar e impulsionar um movimento de articulação local dentro da comunidade onde todos vão assumindo seus papéis e contribuindo com as suas competências na medida de seu engajamento. Nosso objetivo é promover uma efetiva transformação social de curto/médio prazo (protagonismo e autonomia das comunidades) e longo prazo (sensibilização dos clientes em pautas ambientais e sociais). Apoiamos comunidades parceiras na preparação para a recepção dos clientes, na definição conjunta de roteiro, atividades, possíveis dificuldades e desenvolvimento coletivo de soluções como a melhorias nas opções de cardápio para restrições alimentares, soluções para uso de água mais sustentável substituindo PET, estudo de desenvolvimento de outras fontes de renda, como a extração de babaçu, gestão dos resíduos e melhoria nas instalações da pousada comunitária A experiência promove a vivência da diversidade entre os participantes e cooperados, incentivando o diálogo horizontal e propõe que os clientes vivenciem a cultura das comunidades tradicionais, suas histórias, danças e rituais. Adicionalmente, calculamos o impacto ambiental e neutralizamos o carbono a partir do plantio de mudas. Fazemos parceria apenas com fornecedores locais, valorizando a cultura e fomentando a geração de renda de comunidades pressionadas pelo agronegócio e especulação imobiliária e obras de infraestrutura.

8) Impacto: quais impactos seu projeto causou até agora? Considere impactos internos na estabilidade da sua organização e externos em relação ao pilares do turismo sustentável, utilize dados

Até o momento foram realizados 3 programas: 2 imersões na Amazônia em famílias (total de 45 pessoas) e 1 programa de 1 dia Aldeia Tekoa Pyau no Jaraguá - SP (11 crianças de 5 a 7 anos). Nas 2 viagens promovidas para a Amazônia, geramos cerca de R$60 mil em renda local com o envolvimento direto de 43 comunitários e indireto de 110 famílias. Contribuímos para a geração de renda de todas as comunidades, com a ocupação e renda extra para os comunitários. Outro ponto importante é a valorização do modo de vida tradicional pelas próprias populações, evitando assim o êxodo rural. Para os turistas, a Palafitas entrega um programa agradável, atrativo e adequado à promessa de venda. Eles passam a ver o mundo de uma outra maneira, valorizando a cultura tradicional, aplicando esses aprendizados em seu dia a dia e tornam-se disseminadores desse conhecimento para suas redes. Após da expansão do COVID19, organizamos uma campanha de financiamento coletivo "Nossa Amazônia Querida no enfrentamento da pandemia" para captação de recursos para a Turiarte Cooperativa de Turismo e Artesanato da Floresta. Arrecadamos R$28.164 em 12 dias com 54 doadores viabilizando a sobrevivência da cooperativa.

9) Estratégias de crescimento: Quais são seus planos para fomentar o crescimento de sua iniciativa?

Fizemos 3 experiências para conceituação do produto e nosso desafio é consolidar o modelo de negócio para possibilitar o crescimento, para isso, será necessário dedicação integral ao projeto e uma agenda constante de programas em comunidades tradicionais, com o intuito de formar uma rede de famílias que participem das diversas atividades desenvolvidas pela Palafitas. Para o próximo ciclo ampliaremos a atuação para 4 frentes: Formação de atores para que o turismo regenerativo aconteça, Ampliação das vivências, Comunicação e Certificação e reconhecimento. Além disso, pretendemos ampliar o público de clientes contemplando também estrangeiros. Além disso, continuaremos a realizar acompanhamento e atualização das redes do grupos de viajantes com notícias da região, sugestões de programas relacionados aos pilares da viagem e dicas de livros e filmes, implementação da estratégia de comunicação, plano de vendas com parcerias com escolas, agências e projetos sociais.

10) Colaboração: como a sua iniciativa colabora com outros atores (governos, universidades, empresas, associações da sociedade civil) para fazer a diferença? Você realiza alguma parceria?

Nossa principal parceria se dá com os atores que promovem a imersão. Na Amazônia temos uma parceria com a Turiarte - Cooperativa de Turismo e Artesanato da Floresta. Em São Paulo, temos uma parceria com a diretoria da escola de educação infantil da Aldeia Tekoa Pyau no Jaraguá e outras em prospecção, entre elas a organização global Parents for Future, ligada ao movimento Fridays for Future, inspirado por Greta Thunberg que seria nossa porta de entrada para visitantes estrangeiros na promoção de uma jornada de aprendizagem para ativistas climáticos. Pretendemos desenvolver parceria com as Secretarias de Turismo Locais para reforçar o apoio que as comunidades recebem para o turismo e planejamos desenvolver programas específicos para escolas

11) Inspirar novos agentes de transformação: você tem influenciado outras organizações e pessoas a se envolverem no seu projeto e/ou a se preocuparem com o Turismo Sustentável? Se sim, como?

A proposta da Palafitas é justamente que os participantes da imersão se reconheçam como agentes de transformação. Acreditamos que à medida que expandimos nossa visão de mundo, nos conectamos de forma afetiva e nos sentimos responsáveis por cuidar do que amamos. Além disso, estamos articulando a produção e o desenvolvimento de uma Certificação Internacional em Turismo Regenerativo em parceria com a as organizações Camina Sostenible e Turismo Regenerativo para atores do campo do turismo em todo Brasil.

12) a)Quais dos seguintes recursos sua organização obteve até o momento?

  • Suporte de amigos
  • Apoio da família
  • Vendas
  • Mentores / conselheiros

12) b) Planejamento Financeiro: como você planeja financiar o seu projeto a curto, médio e longo prazo?

Hoje o projeto é financiado pelos serviços prestados, mas vencendo esse edital a Palafitas tem um plano de investimento do recurso em 4 frentes de expansão para a estruturação negócio e sustentabilidade financeira. Dado ao escopo é possível conseguir também financiamento em editais como este. A distribuição média da renda gerada é: 25% para as comunidades; 50% para fornecedores de turismo locais; 25% remuneração Projeto Palafitas

12) c) Quanto você já investiu no seu projeto para a operação deste ano?

  • Investimento entre R$10.000 e R$50.000

12) d) Qual é o orçamento necessário para o funcionamento do seu projeto durante 1 ano?

  • acima de R$ 50.000

13) Equipe: qual é a atual composição da sua equipe (papéis, qualificação, tempo integral x temporários, etc)? Como essa composição se transformará no futuro do seu projeto?

A equipe hoje é composta por: 1 Gestora - Mariana Brunini; 1 mentora freelancer Lalah Amazônia; 2 produtores/facilitadores freelancer Tati Piva e Gui Blauth, e 1 técnica de enfermagem Neiva Godinho. No futuro a intenção é manter a equipe existente, com dedicação integral da gestora e incluir uma consultoria administrativa e de comunicação.

14) Diversidade na equipe: descreva a diversidade de sua equipe e inclua informações sobre a distribuição de cargos.

Gestora/Facilitadora: Mariana Brunini, Internacionalista e fotógrafa (www.maribrunini.com) com MBA em Gestão da Sustentabilidade, co fundadora do Famílias pelo Clima, do Centro Acadêmico de Relações Internacionais da PUC/SP e do Comitê de Jovens Empreendedores FIESP. Mentora/Facilitadora: Lalah Amazônia - Indígena, natural de Alter do Chão, trabalha como guia de turismo com foco em Turismo de Base Comunitária. É ativista e militante do movimento indígena e voluntária no desenvolvimento de cadeias de produção e artesanato, fortalecimento de grupos de mulheres e território em aldeias indígenas. Produtores/Facilitadores: Tati Piva, mãe, cantora, administradora de empresas pela EAESP/FGV. Estuda fenomenologia de Goethe aplicada aos processos sociais, astromúsica e fenomenologia do som. Gui Blauth, artista, facilitador de brincadeiras e pesquisador em educação, infância e natureza. Autor de livros e jogos em ecopedagogia e o brincar com a natureza Neiva Maduro: Auxiliar de enfermagem

15) a) Diversidade do público de sua iniciativa: o seu projeto tem como foco específico algum dos seguintes grupos?

  • Minorias étnicas
  • Comunidade negra
  • Comunidade de baixa renda
  • Comunidade rural
  • Comunidade periférica
  • Comunidade indígena
  • Outra Comunidade Tradicional

15) b) Diversidade de público da iniciativa: Dê exemplos reais de como o seu projeto está conseguindo impactar todos os grupos que você indicou na pergunta anterior.

O projeto busca atender as demandas sociais vividas e identificadas pelas comunidades por meio do turismo e articulação com outros atores. Além disso, possibilita que essas comunidades ampliem suas potencialidades criativas, cuja pré-condição é a autonomia. Promovemos imersões para aproximar, criar laços de afeto e amizade entre pessoas criadas nas cidades e pessoas de comunidades tradicionais, que encontram-se em uma situação de vulnerabilidade em quaisquer territórios (urbanos e rurais) Atuamos com indígenas em contexto urbano, que se encontram em uma situação de extrema vulnerabilidade social e marginalizados, e comunidades ribeirinhas e indígenas da Amazônia pressionadas pelo agronegócio, especulação imobiliária e grandes obras de infraestrutura. Estamos em prospecção para ampliar a nossa atuação para comunidades quilombolas.

16) Como você soube desse desafio?

  • Recomendado por outras pessoas

17) ADAPTABILIDADE: Como sua iniciativa contribui para a resiliência socioeconômica e cultural da comunidade em que você atua? Ou seja, como ela ajudou a comunidade a se adaptar em uma situação de crise como a pandemia da covid-19?

Sobre as comunidades que atuamos na Amazônia, estamos atuando em 3 frentes: - Acompanhamento constante do trabalho da TURIARTE e diagnosticamos que a necessidade prioritária era financeira para sobrevivência da cooperativa, portanto fizemos uma campanha virtual de arrecadação de recursos (incluindo uma live com um DJ) e conseguimos arrecadar R$ 28.164,00 em 12 dias. - Estamos apoiando a cooperativa a investir na venda de artesanato por meio de uma consultoria sobre mídias digitais, plataforma de vendas online e suporte na negociação com potenciais compradores de atacado, apoio na definição dos protocolos de segurança e o plano de reabertura para do turismo. - Processo de mentoria com a empreendedora social e ambiental que é parceira da Palafitas: Lays Branco (Lalah Amazônia). Apoio na precificação dos serviços, negociações com clientes e parceiros, divulgação do trabalho e estruturação de canal de vendas de produtos indígenas de diferentes etnias nas mídias sociais Sobre a comunidade indígena do Pico do Jaraguá - SP: Contato e divulgação para novas parcerias

18) MUDANÇAS SISTÊMICAS: Você diria que sua atuação gera ou visa a mudança sistêmica? Caso sim, por favor explique.

Todas as ações do projeto são voltadas para transformação da realidade social, promovendo uma postura reflexiva entre participantes e comunitários, transformando suas visões de mundo com o objetivo de provocar a ação emancipadora, na linda do desenvolvimento de culturas regenerativas. O desenvolvimento da economia local muda a dinâmica do mercado local, levando geração de renda e a criação de um nova cadeia produtiva para povos tradicionais. Outro fator essencial é o desenvolvimento de capital social e humano. Por parte dos participantes (clientes), estimula a sensibilização para a questão ambiental e social. Em relação às comunidades, o projeto promove sua participação ativa, possibilitando que estes grupos ampliem suas potencialidades criativas, cuja pré-condição é a autonomia. Essa postura promove a capacidade de permanente avaliação além do aprofundamento de relações de solidariedade e associativismo comunitário. Toda a atuação do projeto é delineada por uma "ética do cuidado", que consiste no cuidado permanente com o outro, com si próprio, com o trabalho. Essa postura reconhece e valoriza a sensibilidade, a empatia e a subjetividade dos indivíduos. Respeitando o tempo e processo de cada um.

19) TURISMO COMO VETOR DE DESENVOLVIMENTO: Você consegue exemplificar, a partir da sua experiência, como o turismo pode colaborar localmente para um sistema de criação de valor compartilhado?

O turismo pode colaborar localmente para um sistema de criação de valor compartilhado a partir do aprofundamento das relações de solidariedade e associativismo comunitário, por se tratar de uma ferramenta poderosa de resistência e manutenção do modo de vida tradicional. O projeto estimula a participação ativa das comunidades em todo o processo, integrando a cadeia de serviços, que vai desde a venda de artesanato, guias, cozinheiras locais entre outros de forma horizontal, rompendo com a lógica de dominação (hierarquia cliente-prestador de serviços) ao mesmo tempo que promove a emancipação social. Em relação aos clientes, promove experiências compartilhadas e suspensão de pré-julgamentos, promovendo reflexão e conexão, inspirando uma mudança da relação do indivíduo com o seu próprio território, inclusive nos centros urbanos, promovendo uma visão de encantamento com a natureza e introdução de práticas sustentáveis no dia a dia (como germinação e plantio, reciclagem, compostagem, entre outros) A geração de renda/economia, se distribui a partir do centro do território, justamente onde está estabelecido o vínculo interno mais forte, ou seja, parte da essência, da identidade e a partir daí envolve e conecta as partes interessadas do destino, oferecendo ao visitante experiências e serviços, criando valor compartilhado. Neste sentido, cada parte soma com a experiência total da viagem, a partir da diversidade de cada um.

20) REPLICABILIDADE: Para você, é possível identificar outros projetos que foram inspiradores para sua iniciativa? Em quais aspectos? E como o seu projeto se preocupa em inspirar outras iniciativas e ser replicado em outros contextos? Há alguma estratégia para viabilizar sua replicação?

Entendemos o projeto como uma tecnologia social, ou seja, uma metodologia desenvolvida na interação com a comunidade e que pode - e deve - ser replicada em outros contextos, promovendo efetivas soluções de transformação social. Dessa forma, entendemos que os elementos-chave do projeto são: valorização do modo de vida tradicional e saberes ancestrais, horizontalidade nas relações, vida em comunidade, interdependência e (re) encantamento pela natureza) podem ser ressignificados em contextos diferentes, considerando as especificidades locais. A replicabilidade se dará principalmente a partir da formação de multiplicadores locais, com o objetivo de empoderamento coletivo dos agentes locais em turismo regenerativo. A Palafitas já tem parceiros com interesse na consolidação e ampliação atividades e, por isso, fará um programa de formação e troca entre os participantes, reunindo um time de profissionais formadores para orientar e acompanhar a rede de multiplicadores. Outra frente será a estruturação um programa de voluntariado de mentoria com o objetivo de conectar os multiplicadores com necessidades específicas do seu negócio com voluntários com expertises diversas. A ideia é que os voluntários façam consultorias pontuais para fortalecer os projetos dos multiplicadores. Além dos multiplicadores, os voluntários também serão sensibilizados e engajados, podendo assim disseminar o turismo regenerativo nos territórios para pessoas e organizações. Os materiais educativos diversos e o curso online também levarão informação qualificada e adequada aos mais diversos públicos, reforçando a priorização da replicabilidade.

21) UTILIZAÇÃO DO PRÊMIO - Caso sua inciativa seja uma das três iniciativas selecionadas para receber o prêmio em dinheiro, como pretende investir o valor recebido?

Investiremos o recurso em 4 frentes: 1.Formações 2.Vivências 3.Comunicação 4.Certificação 1. Formações, desenvolvimento materiais: 1a.Guia Turismo Regenerativo 1b. Guia do Turista Sustentável 1c.Cartilha para crianças. 2. Ampliação das vivências: 2a. Curta duração 2b.Viagens de famílias 2c.Jornadas para escolas 2d. Roteiros de resgate da história ancestral dos centros urbanos 3. Comunicação: elaboração de um plano de comunicação, melhorias site, mídias sociais. 4. Certificação Sistema B.

22) a) TURISMO SUSTENTÁVEL: o que é turismo sustentável para você?

Para mim, o Turismo Sustentável é aquele que respeita e coloca em pé de igualdade todas as partes interessadas, que tem um compromisso de cuidado e reverência com relação à natureza, com o impacto que causa e com todos os indivíduos de uma comunidade, principalmente com as relações. Valoriza e cultua o que há de genuíno de cada território, que se dispõe a experimentar o local com todos os sentidos e aprofundar em suas peculiaridades. O Turismo Sustentável é aquele que provoca reflexões e conexão.

22) b) TURISMO SUSTENTÁVEL: Com base na sua experiência, quais você considera serem os principais desafios para a implementação de iniciativas de turismo sustentável na atualidade? Quais caminhos você vislumbra para superá-los?

Acredito que um dos principais desafios é o ritmo que estamos vivendo nas grandes cidades: o turista toma um tempo até conseguir estar no momento presente. Um outro desafio é a mercantilização de tudo, estamos acostumados cada vez mais a lidar com as relações como prestação de serviço. O turismo sustentável provoca uma quebra nesta lógica, pois muitas vezes estamos visitando a casa e a comunidade de pessoas que não tem essa visão de mundo e justamente aí está a grande riqueza: são pessoas que nos recebem como visitantes e não como clientes (eu pessoalmente, tenho uma certa dificuldade em chamar os participantes de clientes), pois reduz a relação a algo puramente comercial. Eu vejo que existe um potencial de resgate em ir além, de criar laços de afeto, construir redes de apoio.Como nossas vivências acontecem com crianças, temos uma certa vantagem nesse sentido, pois o mundo para elas ainda não está estruturado pela lógica comercial

22) c) TURISMO SUSTENTÁVEL: Quais oportunidades você considera importantes para fortalecer iniciativas de turismo sustentável?

Acredito que este desafio oferece oportunidades fantásticas de contribuição mútua entre os participantes. Entrei em contato com iniciativas em lugares que eu ainda não conheço, mas consigo vislumbrar o interesse dos viajantes da Palafitas, entendo que existe um potencial de construção conjunta e troca de saberes e experiências ao aproximar atores de lugares tão distantes uns dos outros, mas com alinhamento e objetivos em comum. Também vislumbro um potencial de mantendo essa rede, oferecer oportunidades de aperfeiçoamento dos projetos em seus modelos de negócios e intercâmbios. Além disso, quando pudermos viajar garantindo a segurança de todos, será um momento propicio para comunicar opções de turismo que sejam mais respeitosas com todos os envolvidos, ou seja, existe uma oportunidade de mudança de narrativa pós pandemia.

Evaluation results

11 evaluations so far

1. IMPACTO: Esta iniciativa demonstra impacto relevante, e com evidências quantitativas e qualitativas?

Com toda certeza. - 27.3%

Sim, há evidências quantitativas e qualitativas de seu impacto na comunidade. - 45.5%

De forma parcial. - 18.2%

Não, há pouca evidência de resultados de impacto. - 0%

Não. - 9.1%

2. INOVAÇÃO: Esta iniciativa desenvolveu e implementou uma abordagem inovadora?

Com toda certeza. - 18.2%

Sim, tem características inovadoras. - 36.4%

De forma parcial. - 36.4%

Não, há pouca evidência demonstrada. - 9.1%

Não. - 0%

3. PLANEJAMENTO FINANCEIRO E OPERACIONAL: A iniciativa tem como base um modelo de negócio viável e mostra planos realistas de longo prazo para a sustentabilidade financeira?

Com toda certeza. - 0%

Sim, a iniciativa tem um bom modelo de negócio. - 60%

De forma parcial. - 20%

Insuficiente. - 20%

Não. - 0%

4. REPLICABILIDADE & CRESCIMENTO: Avalie a escalabilidade da iniciativa. Ela tem potencial de ser replicada em outros contextos sociais, culturais e/ou geográficos?

Com toda certeza. - 10%

Sim, a iniciativa demonstra potencial. - 70%

De forma parcial. - 10%

Insuficiente. - 10%

Não. - 0%

5. AGENTES DE TRANSFORMAÇÃO: Uma/um agente de transformação social é alguém que se propõem a lidar e encontrar soluções coletivas para o bem de uma comunidade, um grupo, uma localidade. Queremos saber: essa iniciativa ajuda a inspirar e apoiar outras pessoas a se tornarem agentes de transformação em suas comunidades?

Com toda certeza. - 30%

Sim, a iniciativa demonstra potencial. - 40%

De forma parcial. - 20%

Insuficiente. - 10%

Não. - 0%

6. DIVERSIDADE: Esta iniciativa demonstra a inclusão de públicos diversos em sua iniciativa, seja nos parceiros com os quais colabora e/ou na composição de sua equipe?

Com toda certeza. - 10%

Sim, a iniciativa demonstra potencial. - 50%

De forma parcial. - 20%

Insuficiente. - 20%

Não. - 0%

7. AVALIAÇÃO GERAL: De forma geral, você considera que esta iniciativa deve avançar para a próxima fase do Desafio e se tornar um semifinalista?

Sim, com toda a certeza! - 9.1%

Sim, acredito que sim. - 45.5%

Talvez. - 36.4%

Provavelmente não. - 0%

Não. - 9.1%

Attachments (1)

Alter do Chão ed 148_novo.pdf

Matéria sobre Turismo Regenerativo escrita por mim e o fotojornalista Alex Fisberg publicada na Revista Top Destinos em janeiro de 2019 usando o exemplo de Alter do Chão como referência.

19 comments

Join the conversation:

Comment
Spam
Photo of Beatriz Cabral
Team

Gostei de conhecer seu projeto. Ccomo vocês também trabalham com crianças, compartilho uma publicação "Turismo na escola", resultado do nosso trabalho com crianças de duas escolas do Litoral do Paraná.
http://www.proec.ufpr.br/maiscultura/download/2020/Turismo.pdf

Spam
Photo of Mariana Brunini
Team

Muito obrigada Beatriz, foi um prazer conhecer sua iniciativa e muito obrigada pelo envio do material, quero levar as crianças para visitar o litoral do Paraná com vocês! Um abraço

Spam
Photo of Beatriz Cabral
Team

Fantástico, Mariana! Será um prazer enorme receber vocês aqui na região.
Obrigada e sucesso no seu projeto.

View all comments