Projeto Contraponto:Turismo sustentável, pedagógico e de base comunitária no vilarejo rural de Extrema-Congonhas do Norte/MG

Projeto de fomento ao Turismo pedagógico e de base comunitária com foco no desenvolvimento sustentável da comunidade rural de Extrema.

Photo of Contraponto Espaço Educacional
99 133

Written by

Nome completo do(a) representante do projeto

Alessandra Lopes Calvão

E-mail

contrapontomg@gmail.com

Nacionalidade

Brasileira

Gênero

  • Feminino

Data de Nascimento

28051983

Sede da organização (UF)

  • Minas Gerais

Site da organização

www.contraponto.eco.br

Mídias sociais da organização

Instagram: @projetocontraponto Facebook:https://facebook.com/contrapontoeducacao/ YouTube:https://www.youtube.com/channel/UCYqYcSdeO8EpSoOi3byVlkA

Data em que você iniciou o projeto

09/2009

Estágio do projeto

  • Estabelecido (passou com sucesso pelas fases iniciais, tem um plano para o futuro)

Elegibilidade I: Você atende a todos os critérios de elegibilidade?

  • Sim, eu tenho mais de 18 anos de idade.
  • Sou brasileira/o ou estrangeira/o residente no Brasil.
  • Tenho atuação direta e comprovada no projeto.
  • Não sou funcionário nem familiar de funcionários da Ashoka e da CTG Brasil.

Elegibilidade II: O projeto inscrito:

  • É um projeto já implementado e posso comprovar nas respostas, fotos e documentações a serem apresentadas nesta inscrição..
  • É um projeto que tem como foco pelo menos dois (2) dos quatro (4) pilares do turismo sustentável (social, cultural, ambiental e econômico) descritos na seção "Escopo e áreas de foco".

Ao se inscrever, você concorda que possamos apresentar seu trabalho nas mídias sociais e outras publicações da Ashoka e CTG Brasil, relacionadas ao Desafio?

  • Sim, eu concordo.

1) Viagem pessoal: qual a história por trás da decisão em iniciar este projeto?

Percebendo o panorama de desigualdade social e degradação ambiental,decidi me dedicar a transforma-lo e me tornei educadora popular. Estudando Permacultura/Agroecologia,conecta-las com a educação tornou-se meu objetivo principal. Ao conhecer Extrema,como turista,me atrai pelas belezas naturais e população acolhedora. Mudei para o vilarejo e fundei o Contraponto,projeto de educação ambiental que visa desenvolver o empoderamento dos indivíduos para autogestão local afim de estabelecer um ecovilarejo rural. Os cursos promovidos gratuitamente capacitam a população nestes conhecimentos e solucionam problemas locais, atraindo cada vez mais turistas, que vêm em busca de conhecimento de práticas sustentáveis. Nos 11 anos de residência no vilarejo,o projeto vem sendo construído com os moradores, que juntos ensinam,aprendem,experimentam,constroem e sonham um mundo com equidade social, equilíbrio ambiental, pautado por valores humanos de partilha e comunhão com a natureza e seres que a habitam.

2) O problema: que problema você está ajudando a resolver?

Segundo IBGE o IDHM local é 0,568, um dos mais baixos do estado,retratando a falta de emprego e condições precárias de vida. Em Extrema os moradores sobrevivem da agricultura de subsistência.Residem no vilarejo apenas mulheres, crianças e aposentados.Os homens adultos e jovens são levados ao êxodo para cidades onde trabalham com serviços que demandem mão de obra de baixa instrução.Expandir o turismo sustentável e de base comunitária no vilarejo irá modificar esse quadro de exclusão e baixa renda

3) Sua solução: como seu projeto responde a esse problema? Compartilhe sua abordagem específica.

Contraponto tem objetivo de formar e capacitar os comunitários para gerar renda, propiciar qualidade de vida, fomentar o turismo e transformar panorama ambiental local . A partir de demandas da comunidade,promove cursos dos conhecimentos de ciências socioambientais,como a Permacultura e Agroecologia,com intuito de atrair turistas, conscientizar e disseminar práticas sustentáveis e tecnologias sociais. Assim,a solução de problemas como saneamento básico,produção de alimentos seguros e formação de profissionais,vem acontecendo e transformando a realidade do vilarejo. Cada curso do espaço tem sempre suas 50 vagas para turistas preenchidas por pessoas do Brasil e do mundo. Os moradores recebem os participantes em suas casas,servem alimentos,guiam pelas belezas naturais (mais de 50 cachoeiras cadastradas) e ministram a maioria dos cursos, gerando renda para suas famílias. Além disso,beneficiam produtos, não apenas do gênero alimentício,mas também utilizando os conhecimentos aprendidos nos cursos, como cosméticos naturais, para vender aos turistas. Em entrevistas realizadas para pesquisa de mestrado em Estudos Rurais/UFVJM,que estou finalizando, muitos foram os depoimentos relatando que os conhecimentos adquiridos nos cursos do Contraponto, e principalmente o movimento turístico que vem crescendo, têm garantido uma fonte de renda extra e possibilitado maior qualidade de vida para a população. Maior divulgação e capacitação da população possibilitará ampliar o impacto.

4) Que tal incluir um vídeo sobre sua iniciativa?

Considero a iniciativa importante por estar transformando a realidade do vilarejo e ter potencial para inspirar outras localidades a desenvolver um turismo baseado nas práticas de sustentabilidade que temos aqui. Os moradores estão envolvidos diretamente com o projeto e tem a possibilidade de ampliar sua renda através das oportunidades desencadeadas pelas ações e pelo turismo promovido. Os turistas saem da vivência com sua visão de mundo diferente, e se tornam agentes de transformação.

5) Atividades: Destaque as principais atividades que você realiza no dia-a- dia do seu projeto.

Reuniões mensais com moradores para discutir problemas,demandas,avaliar e definir ações conjuntamente. Mutirões para solucionar questões na comunidade (como limpeza da rua,estruturação de trilhas, reforma de espaço público). Equipe gestora do projeto trabalha escrevendo para editais e fontes de financiamento,produzindo materiais didáticos sobre as técnicas e abastecendo as mídias sociais.Cursos sobre Permacultura, Agroecologia, Bioconstrução, Plantas Medicinais e Cosméticos Naturais acontecem trimestralmente,para público interno e externo,e mensalmente exclusivamente para moradores.Cada curso aborda novamente os conhecimentos já aprendidos ao longo dos 11 anos de projeto,com oficinas ministradas pelos próprios moradores capacitados,e por outros facilitadores contratados para ensinar novas técnicas que auxiliem os comunitários (exemplo ultimo curso foram os desidratadores solar de baixo custo para beneficiamento de frutas).Também recepciona turistas,grupos e voluntários ao longo do ano.

6) Inovação: Qual inovação sua iniciativa está desenvolvendo ou adaptando para solucionar problemas na área do turismo? Como se diferencia de outras iniciativas no setor?

Principal ponto de inovação do projeto é a metodologia participativa (baseada no Dragon Dreaming) e de educação popular (baseada em Paulo Freire), de turismo sustentável (baseado nos princípios e práticas implementadas no vilarejo da Permacultura e Agroecologia) e de base comunitária (baseada no projeto implementado e estudado em comunidades quilombolas de Sergipe). Todos os moradores são convidados e incentivados a participar das reuniões,gerir o espaço do Contraponto e a ofertar serviços de receptivo turístico em suas casas. O vilarejo hoje é reconhecido por ser o único do país onde todas as casas possuem sistemas ecológicos de gestão de esgoto implementados e que, através de um parceria com a prefeitura, financiada pela Funasa, expandiu essa técnica pelo território de Congonhas do Norte, já tendo construído mais de 200 sistemas de bacias de evapotranspiração. Agora, a equipe do Projeto vem escrevendo projetos para buscar financiamento para implementar outras técnicas nas residências locais, como os aquecedores solar de baixo custo e as captações de água de chuva. Em um trabalho direcionado para as mulheres do vilarejo, trabalhamos com o beneficiamento de produtos a partir das plantas medicinais e de alimentos, como as plantas alimentícias não convencionais. Os projetos e metodologias implementadas são hoje objeto de estudo de mestrado, em fase de finalização com defesa agendada para outubro de 2020, no programa interdisciplinar de pós-graduação em estudos rurais da UFVJM.

7) a) Pilares do Turismo sustentável: Quais dos seguintes pilares do Turismo Sustentável o seu projeto contempla?

  • Social - iniciativas que melhorem a qualidade de vida das comunidades envolvidas, que sejam capazes de contribuir em aspectos da educação, saúde, articulação social, diversidade e atuação das comunidades.  
  • Cultural - iniciativas que valorizem as identidades e culturas locais, a preservação das histórias e os saberes tradicionais.  
  • Ambiental - iniciativas que reduzam o impacto ambiental, que ofereçam soluções de compensação, que cuidem da conservação e do uso de recursos naturais, que se proponham a regenerar áreas degradadas e que promovam educação e sensibilização ambiental.     
  • Econômico - iniciativas que atuem a partir da proposta de desenvolvimento local, que gerem emprego e renda localmente, que valorizem fornecedores locais, que construam parcerias e que fortaleçam redes de produção e serviços junto a outros agentes locais.  

7) b) Pilares do Turismo Sustentável: explique como os pilares que sinalizou na pergunta anterior estão presentes na implementação do seu projeto.

No social, ações para solucionar problemas,fomentar as ações da associação local e estabelecer parcerias com instituições que auxiliem no desenvolvimento da comunidade.As reuniões e mutirões mobilizam a comunidade em torno da solução dos problemas,fortalecem sua identidade social e participação cidadã.Exemplos de conquistas comunitárias que propiciaram qualidade de vida foram a revitalização do sistema de abastecimento de água,de espaços públicos como a praça,a igreja e o calçamento da rua principal. No cultural,cursos para fortalecer os saberes da comunidade (como as técnicas tradicionais de bioconstrução e de plantio).Ao receber turistas interessados nesses temas e ministrarem cursos,os moradores tem seus saberes valorizados.E a produção de registro sobre a historia de formação do vilarejo. No ambiental,já solucionou questões básicas de saneamento e de coleta de resíduos sólidos,e promove mutirões para manutenção da limpeza.Os cursos promovem conscientização da população.A transição agroecológica, estimulada nas propriedades,é uma formas de promover a preservação ambiental e garantir soberania alimentar. No econômico, fomento ao turismo de base comunitário, sustentável e pedagógico é fonte crescente de renda para moradores.Hospedam em suas casas, servem alimentação, são guias, oferecem serviço de aluguel de animais,tour rural em suas propriedades e comercializam produtos para os turistas.Os cursos têm capacitado os moradores locais a trabalhar com ecotecnologias sociais.

8) Impacto: quais impactos seu projeto causou até agora? Considere impactos internos na estabilidade da sua organização e externos em relação ao pilares do turismo sustentável, utilize dados

Conscientização/mobilização da comunidade para tomada de decisões/ações que alterem a realidade,fortalecendo as interações sociais,valorizado saberes e solucionando questões ambientais/ socioeconômicas.Alguns dados:11 cursos gratuitos,com participação mais de 470 turistas de vários países;capacitação mais de 130 pessoas do Vilarejo;7 técnicas de bioconstrução no espaço; 3 técnicas de saneamento ecológico no Vilarejo (construção de mais de 200 bacias de evapotranspiração);11 eco-tecnologias sociais implementadas;técnicas de beneficiamento de produtos de plantas medicinais;técnicas de produção agroecológica e beneficiamento de produtos alimentícios;calçamento do vilarejo;coleta seletiva de resíduos;reforma da Capela com técnicas de construção de barro;plantio de árvores na praça;espaço de lazer com brinquedos e campinho de futebol.Diretamente relacionados ao turismo:6 guias capacitados;17 moradias de hospedagem;9 moradias para alimentação;uma pousada;um camping comunitário; 17 propriedades para tour local;4 pessoas alugam animais para transporte;um evento internacional (Rainbow Gathering) com mais de 600 turistas do mundo todo;sistema de rodízio de serviços turísticos entre moradores

9) Estratégias de crescimento: Quais são seus planos para fomentar o crescimento de sua iniciativa?

Fomentar crescimento da iniciativa continuando com cursos,estabelecendo parcerias e capacitando a comunidade.Construir no espaço uma lojinha para que os produtores possam expor seus produtos e uma feira local, com a aquisição de barracas para os agricultores. Prevemos cursos voltados para turismo de base comunitário afim de normatizar a pratica na comunidade.E cursos de capacitação para os prestadores de serviços turísticos,como de guia,turismo de aventura,hotelaria,beneficiamento de alimentos,culinária e gestão administrativa. Devido a necessidade de divulgar o turismo e belezas naturais da região,prevemos instalação de outdoor na região da Serra do Cipó,investimento em divulgação nas mídias sociais e o estabelecimento de parcerias com empresas do setor turístico. Planejamos fomentar a economia solidária com a criação de uma moeda local,banco do tempo e fundo rotativo.Estamos regularizando o CNPJ da organização para ampliar a captação de recursos que possibilitaram mais investimentos.

10) Colaboração: como a sua iniciativa colabora com outros atores (governos, universidades, empresas, associações da sociedade civil) para fazer a diferença? Você realiza alguma parceria?

Possuímos diversas parcerias com a Prefeitura local e outras instituições como escolas e associações do município, que vão desde a oferta de cursos em secretarias e órgãos como o CRAS até assessoria na elaboração de projetos. Estamos prestando assessoria a prefeitura para elaboração do Plano Municipal de Turismo. Parceria com a UFVJM, em três projetos de extensão da universidade, onde disseminamos os saberes da educação popular, permacultura e agroecologia, dentro e fora da universidade, como é o caso do trabalho no Museu do Diamante e na confecção de cartilha que esta sendo aplicada nas escolas de Diamatina.Parceria de assessoria do Circuito turístico da serra do Cipó para ampliar o TBC na região. Recebemos também grupos de instituições, como universidades, escolas e prefeituras, para oficinas, palestras e vivências. Estabelecemos parceria com SENAR e outros órgãos que promovam cursos de capacitação e também com empresas turísticas das cidades vizinhas, como o receptivo Conexão Verde.

11) Inspirar novos agentes de transformação: você tem influenciado outras organizações e pessoas a se envolverem no seu projeto e/ou a se preocuparem com o Turismo Sustentável? Se sim, como?

Estamos estabelecendo uma parceria e prestando consultoria para uma empresa local de guias, denominado Trilhando Congonhas, que pretende construir inclusive uma área de camping com os mesmos padrões construtivos do espaço comunitário do contraponto. Temos influenciado o turismo de uma maneira mais ampla em toda a cidade, sendo responsáveis agora pela elaboração do plano municipal de turismo.

12) a)Quais dos seguintes recursos sua organização obteve até o momento?

  • Suporte de amigos
  • Apoio da família
  • Vendas
  • Contribuição espontânea dos participantes dos cursos.Cursos em outras instituições.Recursos proprios

12) b) Planejamento Financeiro: como você planeja financiar o seu projeto a curto, médio e longo prazo?

Curto prazo(já ocorrem): financiado por contribuições espontâneas dos participantes dos cursos que cobrem todos os custos deles; ministrando cursos para outras instituições que tem nos procurado e pelos quais somos remunerados; venda dos produtos produzidos no espaço (alimentos organicos, artesanato, produtos de plantas medicinais) e de produtos promocionais com a logo do projeto (camisetas, copos, botons); investimento próprio, feito por doações da idealizadora do projeto. Por causa da pandemia tivemos que suspender a recepção de grupos nos cursos e para turistas. Médio prazo: todas as anteriores; campanha de captação de doação (crowdfounding que já está sendo elaborado); captação de recursos em editais (estamos concorrendo a dois editais); recepção de grupos turísticos; oferta de camping, bar e restaurante no espaço, com toda a renda revertida para manutenção do projeto e do espaço Longo prazo: todas as anteriores; loja virtual para venda de produtos e de pacotes; porcentagem sobre os produtos vendidos na lojinha de produtores; contribuição dos associados e dos turistas ( com taxas sugeridas, mas não obrigatórias, em todos os receptivos como pousadas, bares,restaurantes); cobrança de taxa nos atrativos locais; promoção de um calendário local de eventos; estabelecimento de feira local.

12) c) Quanto você já investiu no seu projeto para a operação deste ano?

  • Investimento entre R$1.000 e R$10.000

12) d) Qual é o orçamento necessário para o funcionamento do seu projeto durante 1 ano?

  • entre R$ 10.000 e R$ 50.000

13) Equipe: qual é a atual composição da sua equipe (papéis, qualificação, tempo integral x temporários, etc)? Como essa composição se transformará no futuro do seu projeto?

Todos os membros da equipe são voluntários e não recebem nenhuma remuneração pelos serviços prestados, e por isso não tem dedicação exclusiva ao projeto e sim a partir da demanda. No futuro pretendemos conseguir remunerá-los para que a dedicação seja exclusiva. A organização não possui cargos delimitados pois temos uma gestão participativa e descentralizada.Emanuela de Figueiredo Duarte:27 anos; formação em gestão ambiental,permacultura e gestora de empresa de viagens “To de Férias”.César Augusto Neves:25 anos;formação:técnico em meio ambiente e agroecologia.Helber Crisnan Costa Rodrigues: 36 anos; formação:biólogo, educador ambiental,chefe de cozinha e promotor eventos culturais.Matheus de Oliveira Miranda:26 anos;formação:guia turístico.Camila Patrocínio Lopes:28 anos;formação:comunicação social(publicidade e propaganda);Beatriz Gama:23 anos;formação:educadora,jogos pedagógicos.Alessandra Lopes Calvão:37 anos;formação:bióloga, educadora,permacultora. Paula Fortini, historiadora(cont)

14) Diversidade na equipe: descreva a diversidade de sua equipe e inclua informações sobre a distribuição de cargos.

Equipe com grande diversidade étnica,de gênero,idade e formação.Contamos ainda consultoria de duas professoras da UFVJM:Ana Flavia Andrade Figueiredo,41 anos,graduada em turismo e Luciana Allain, graduada em Biologia e doutorada em educação. A atuação dos membros consiste em:Emanuela de Figueiredo Duarte: mobilizadora e na capacitação para recepção turística.César Augusto Neves:capacitação e cursos de agroecologia.Helber Crisnan Costa Rodrigues:promoção de eventos e capacitação beneficiamento de alimentos. Matheus de Oliveira Miranda:capacitação de guias e mapeamento/estruturação pontos turísticos.Camila Patrocínio Lopes:produção material divulgação e gestão site e redes.Beatriz Gama:atividades com crianças e facilitação de cursos.Alessandra Lopes Calvão:articulações,escreve projetos,mobilização,cursos,gestão projeto. Paula Fortini: historiadora, mestranda de Historia ambiental na Fiocruz, responsavel pelo resgate historico-cultural da comunidade e produção de um documentário

15) a) Diversidade do público de sua iniciativa: o seu projeto tem como foco específico algum dos seguintes grupos?

  • Comunidade de baixa renda
  • Comunidade rural

15) b) Diversidade de público da iniciativa: Dê exemplos reais de como o seu projeto está conseguindo impactar todos os grupos que você indicou na pergunta anterior.

O local onde o projeto esta inserido é uma comunidade tradicional rural com baixas expectativas de renda. Capacitamos os moradores e fomentamos o turismo através de todas as atividades descritas acima. Já possibilitou a geração de uma renda extra para os moradores através dos cursos, saberes compartilhados e do turismo pedagógico, sustentável e de base comunitária. O foco principal do projeto está voltado para as mulheres, crianças e jovens da comunidade, com cursos específicos destinados a eles e projetos de geração de renda. Capacitamos os jovens a trabalhar com tecnologias sociais como as bacias de evapotranspiração, aquecedores solar, captação de água de chuva, e hoje eles são contratados para implementar estes sistemas em casas da região. As mulheres foram capacitadas para produzir diversos materiais como tinturas, óleos essenciais, cosméticos e produtos de higiene naturais e hoje já conseguem vender estes produtos na região. Os turistas recepcionados também geram renda para eles.

16) Como você soube desse desafio?

  • Mecanismo de busca

17) ADAPTABILIDADE: Como sua iniciativa contribui para a resiliência socioeconômica e cultural da comunidade em que você atua? Ou seja, como ela ajudou a comunidade a se adaptar em uma situação de crise como a pandemia da covid-19?

Nossa sociedade enfrenta grave cenário de falência socioeconômica e ambiental. O Contraponto tem o objetivo de estabelecer em Extrema um ecovilarejo rural, que seja exemplo de adaptabilidade, sustentabilidade e bem viver. Atua estimulando a resiliência da comunidade, com ações educacionais, implementando e propiciando outras formas de desenvolvimento social e econômico, não ligados apenas ao turismo. A comunidade não possui nenhum caso de Corona vírus e trabalhamos para manter este panorama. Por isso, cancelamos os cursos deste ano e, no princípio, orientávamos os turistas a não visitarem o vilarejo. Agora já estamos recebendo alguns turistas, que estão sendo instalados em área de camping aberta e com pouco contato com os moradores, sendo orientados a apenas fazerem trilhas ao ar livre e não circularem pela comunidade. Durante a pandemia, temos aproveitado para capacitar moradores com oficinas (para número reduzido de participantes) de beneficiamento de alimentos, de produtos naturais, artesanais e orgânicos, que são vendidos em feira da agricultura familiar na cidade de Congonhas do Norte. Todos os moradores foram convidados a produzir artigos que possam ser levados à feira por um representante do contraponto. Nas atividades educacionais, na recepção dos turistas e na feira, adotamos todas as medidas de precaução determinadas pelo Ministério Público. Também estamos trabalhando na estruturação do turismo para o futuro, focando no mapeamento e estruturação dos atrativos, mobilização e capacitação da comunidade e divulgação deste destino para visitas pós pandemia. Estabelecemos parcerias com blogs de viagens para que divulguem o vilarejo, estruturamos nosso site para promover o turismo local e estamos escrevendo projetos para editais a fim de captar recursos para investimento no setor. As reuniões foram substituídas pela aplicação de questionários, e assim conseguimos continuar coletando a opinião dos moradores para o planejamento das ações.

18) MUDANÇAS SISTÊMICAS: Você diria que sua atuação gera ou visa a mudança sistêmica? Caso sim, por favor explique.

A atuação do projeto é fundamentada justamente na promoção de mudanças sistêmicas, na comunidade, na região em nosso entorno e nos turistas que recebemos. Promovemos a construção de conhecimentos, em forma de vivências práticas transformadoras, em que os habitantes determinam quais conhecimentos desejam aprender e a partir disso são promovidos os eventos. Neles abordamos temáticas da permacultura, agroecologia, bioconstrução, economia solidaria, plantas medicinais e outros. A metodologia é baseado na educação popular e em métodos participativos de gestão. Todas são metodologias e conhecimentos que estimulam o desenvolvimento de consciência socioambiental e instrumentam todos os envolvidos para participação ativa e empoderada na construção de uma sociedade justa, equitativa e ambientalmente correta. Debates sobre o mundo rural e o panorama agrário/ambiental acorrem frequentemente e sensibilizam aos envolvidos. Assim, Extrema hoje é reconhecida, a nível global, como vilarejo que se reconstrói pautado em práticas socioeconômicas e ambientais equilibradas, sendo, por exemplo, um dos únicos vilarejos do mundo onde todo o esgoto é tratado corretamente, todos os resíduos sólidos são separados/coletados e o óleo de cozinha usado é transformado em produtos de limpeza. Temos inserção política e alguns dos projetos desenvolvidos se tornaram política pública municipal e se estendem por outras cidades, como por exemplo as bacias de evapotranspiração que agora fazem parte do plano municipal de saneamento básico e já é referência em cidades como Conceição do Mato Dentro e Diamantina. O sistema de produção de alimentos agroecológicos tem sido fomentado através de um dos nossos projetos, e participamos da elaboração de uma feira da agricultura familiar na cidade de Congonhas do Norte.A gestão de resíduos municipais está sendo reestruturada a partir de nosso exemplo e tutoria.O turismo pedagógico e de base comunitária esta presente no plano municipal de turismo.

19) TURISMO COMO VETOR DE DESENVOLVIMENTO: Você consegue exemplificar, a partir da sua experiência, como o turismo pode colaborar localmente para um sistema de criação de valor compartilhado?

O turismo de base comunitária desenvolvido pelo projeto está focado no desenvolvimento econômico, cultural e social de Extrema, bem como em na manutenção de sua sustentabilidade ambiental. Os comunitários são os beneficiados pelo turismo, são eles que recebem todo o aporte econômico gerado pelo turismo. Temos um esquema de rodízio para oferta dos serviços, beneficiando assim a todos de maneira igualitária. Eles fornecem em suas propriedades a acomodação, alimentação e roteiros rurais para os visitantes. E também o serviço de condução nos atrativos, de aluguel de animais para transporte, venda de produtos e são os facilitadores remunerados dos cursos. Estamos nesse momento buscando recursos financeiros para promover formação dos moradores a fim de capacita-los a compreender melhor esta proposta, recepcionar adequadamente os turistas e normatizar este modelo de turismo, para que no futuro a proposta não se perca com a chegada de empreendimentos de pessoas e empresas externas. Estruturar os atrativos é uma meta para cobrarmos taxas de acesso a eles e gerar uma renda para a associação local ter maior autonomia financeira. A divulgação é outro fator importante para que esta atividade econômica cresça cada vez mais em nossa região e gere empregos para toda a população. Possuir um espaço de feira e de uma lojinha para a venda dos produtos locais também será de fundamental importância para a geração de renda aos agricultores, artesão e demais moradores.Com o crescente interesse por seu modo de vida, história e saberes, tem sua cultura valorizada com a procura de turistas por conhecimentos e práticas que foram invisibilizados pelas ciências e pelo padrão de modernização urbano-industrial, tendo assim sua identidade sociocultural reforçada. Os constantes processos de formação e capacitação, e ainda mais os mutirões promovidos pelo projeto para solução de problemas locais, reforça o espirito coletivo e a autonomia da comunidade para o desenvolvimento local.

20) REPLICABILIDADE: Para você, é possível identificar outros projetos que foram inspiradores para sua iniciativa? Em quais aspectos? E como o seu projeto se preocupa em inspirar outras iniciativas e ser replicado em outros contextos? Há alguma estratégia para viabilizar sua replicação?

O projeto Contraponto é inspirado pelo Centro Popular de Cultura e Desenvolvimento, do educador Tião Rocha, e pelo movimento de turismo de base comunitário do Sergipe, coordenado pela turismóloga Viviane Castro. É fonte de inspiração para a cidade na qual estamos inseridos, atuando na replicabilidade da idéia junto à prefeitura municipal, fornecendo assessoria para a elaboração do plano municipal de turismo dentro dos parâmetros de turismo de base comunitária e promovendo oficinas de sensibilização, conscientização e formação para os receptivos turísticos locais. Atuamos também ligados as associações de produtores rurais, de assistência social e sindicato rural, ofertando cursos e processos formativos. Estamos auxiliando um grupo de guias locais, o Trilhando Congonha, a montar os roteiros, estruturar os atrativos e construir uma área de camping com as mesmas técnicas sustentáveis aplicadas em Extrema. Estabelecemos parceria com um receptivo turístico da Serra do Cipó, o Conexão Verde, para promover um intercambio, a capacitação dos guias locais e para fomentar um turismo semelhante na região onde eles atuam diretamente. Nos conectamos constantemente a blogs e outros tipos de mídias, para que nosso trabalho seja divulgado, como por exemplo com a influenciadora digital Luiza Junqueira (do canal “Ta querida”) e o blog Chicas lokas na estrada. Os turistas/participantes dos eventos de oficinas gratuitas em permacultura/agroecologia, saem dessas vivencias transformados e alguns iniciam projetos semelhantes em suas cidades, como é o caso do Yvy Porã, em Missiones/Argentina, de Monica Lopes e o Permacultureiros nômades, um coletivo itinerante de São Paulo, de Eugênia Costa. Nosso plano para 2021, além de continuar com todas as ações já desenvolvidas, é adquirir um trailer que possa ser um módulo itinerante do projeto. Com ele, seguir viagem pelo Brasil, dispersando nossas ideias, conhecimentos e tecnologias sociais por outras cidades e vilarejos.

21) UTILIZAÇÃO DO PRÊMIO - Caso sua inciativa seja uma das três iniciativas selecionadas para receber o prêmio em dinheiro, como pretende investir o valor recebido?

Pretendemos investir em quatro estratégias para desenvolvimento do turismo:normatização do TBC(cursos de formação,contratação de profissionais);cursos de capacitação para os receptivos turísticos(guia,beneficiamento de alimentos,administração);estruturação dos atrativos(mapeamento,instalação de placas e equipamentos de segurança);divulgação (instalação de outdoor,confecção e distribuição de panfletos,elaboração de guia impresso,manutenção site e criação de loja virtual para produtos e pacotes).

22) a) TURISMO SUSTENTÁVEL: o que é turismo sustentável para você?

O que guia o Contraponto é a certeza de que o turismo sustentável só existe se estiver aliado ao turismo de base comunitária, pois ele precisa ser gerido pelos moradores locais, a fim de atender seus anseios, sonhos e necessidades, propiciando melhor qualidade de vida. Só é economicamente sustentável quando a receita gerada beneficia os comunitários, de maneira igualitária, e não as grandes empresas e corporações do setor turístico. Só é sustentável culturalmente quando reforça a identidade social da população local, empoderando e valorizando seus saberes e modo de vida. Só é socialmente sustentável quando promove o engajamento da população, que se mobiliza torno de um objetivo e para o bem comum. E é ambientalmente sustentável quando, além de proteger o patrimônio e os recursos naturais do local, promove a sensibilização e conscientização tanto da população como principalmente dos turistas, fornecendo instrumentos para estabelecer uma nova maneira de ser e de estar no mundo

22) b) TURISMO SUSTENTÁVEL: Com base na sua experiência, quais você considera serem os principais desafios para a implementação de iniciativas de turismo sustentável na atualidade? Quais caminhos você vislumbra para superá-los?

O principal desafio para implementação do turismo sustentável de base comunitária é normatizar esta prática de forma que ela não se perca ao longo do tempo, quando o turismo na região ganhar maiores proporções e passar a ser alvo do interesse de empresas do setor. Outro desafio enfrentado, no nosso caso, é o de promover a divulgação da região para aumentar a procura e oportunidades de geração de empregos pelo setor. Capacitar os moradores para a recepção do turismo e estruturar os atrativos são outros desafios enfrentados na nossa região, pois estes pontos demandam de recursos financeiros dos quais ainda não dispomos. Ouvimos muitos relatos sobre a dificuldade de mobilizar a população e controlar a atividade turística, mas este não é um desafio enfrentado pelo projeto já que iniciamos nossas atividades a partir da mobilização da comunidade, sempre dando voz aos moradores e procurando atender seus desejos e incorporar seus sonhos. O turismo na região é um turismo pedagógico, portanto os turistas nos procuram com o intuito de aprender novas técnicas e maneiras de habitarem os espaços, o que já denota um perfil diferente do publico. Com a divulgação sabemos que teremos que redobrar os cuidados para que isso não se perca e a comunidade saia do controle da atividade turística. Os cursos propostos neste projeto, e que fazem parte de nosso plano de ação, a divulgação almejada e a normatização da atividades são as maneiras como pretendemos atuar para ultrapassar tais dificuldades.

22) c) TURISMO SUSTENTÁVEL: Quais oportunidades você considera importantes para fortalecer iniciativas de turismo sustentável?

A oportunidade de conhecer novos projetos do setor e de promover uma troca de experiências entre nossos pares, como proposta por este desafio, é um fator de fortalecimento muito importante para nós. Assessoria de órgãos e instituições especialistas na área auxiliam muito a fundamentar e guiar nossa prática. O investimento de recursos financeiros, captados através de editais como este, são uma excelente oportunidade de crescimento e fomento a atividade de projetos de base comunitária.

Evaluation results

134 evaluations so far

1. IMPACTO: Esta iniciativa demonstra impacto relevante, e com evidências quantitativas e qualitativas?

Com toda certeza. - 68.4%

Sim, há evidências quantitativas e qualitativas de seu impacto na comunidade. - 28.6%

De forma parcial. - 3%

Não, há pouca evidência de resultados de impacto. - 0%

Não. - 0%

2. INOVAÇÃO: Esta iniciativa desenvolveu e implementou uma abordagem inovadora?

Com toda certeza. - 62.4%

Sim, tem características inovadoras. - 30.1%

De forma parcial. - 7.5%

Não, há pouca evidência demonstrada. - 0%

Não. - 0%

3. PLANEJAMENTO FINANCEIRO E OPERACIONAL: A iniciativa tem como base um modelo de negócio viável e mostra planos realistas de longo prazo para a sustentabilidade financeira?

Com toda certeza. - 50.4%

Sim, a iniciativa tem um bom modelo de negócio. - 32.3%

De forma parcial. - 12.8%

Insuficiente. - 3.8%

Não. - 0.8%

4. REPLICABILIDADE & CRESCIMENTO: Avalie a escalabilidade da iniciativa. Ela tem potencial de ser replicada em outros contextos sociais, culturais e/ou geográficos?

Com toda certeza. - 66.2%

Sim, a iniciativa demonstra potencial. - 30.1%

De forma parcial. - 3.8%

Insuficiente. - 0%

Não. - 0%

5. AGENTES DE TRANSFORMAÇÃO: Uma/um agente de transformação social é alguém que se propõem a lidar e encontrar soluções coletivas para o bem de uma comunidade, um grupo, uma localidade. Queremos saber: essa iniciativa ajuda a inspirar e apoiar outras pessoas a se tornarem agentes de transformação em suas comunidades?

Com toda certeza. - 75%

Sim, a iniciativa demonstra potencial. - 22%

De forma parcial. - 2.3%

Insuficiente. - 0.8%

Não. - 0%

6. DIVERSIDADE: Esta iniciativa demonstra a inclusão de públicos diversos em sua iniciativa, seja nos parceiros com os quais colabora e/ou na composição de sua equipe?

Com toda certeza. - 66.4%

Sim, a iniciativa demonstra potencial. - 27.5%

De forma parcial. - 5.3%

Insuficiente. - 0.8%

Não. - 0%

7. AVALIAÇÃO GERAL: De forma geral, você considera que esta iniciativa deve avançar para a próxima fase do Desafio e se tornar um semifinalista?

Sim, com toda a certeza! - 72.7%

Sim, acredito que sim. - 19.7%

Talvez. - 6.8%

Provavelmente não. - 0.8%

Não. - 0%

View more

Team (9)

Beatriz's profile
Beatriz Gama

Role added on team:

"Atua como educadora através da utilização de dinâmicas e jogos cooperativos."

Contraponto's profile
Paula's profile
Paula Fortini

Role added on team:

"Atua como historiadora, no resgate da história e cultura do vilarejo, na construção do registro através de um documentário."

Alessandra's profile
Alessandra Lopes Calvão

Role added on team:

"Idealizadora do projeto. Atua como educadora, mobilizadora, articuladora e permacultora."

Camila's profile
Camila Patrocinio

Role added on team:

"Atua como comunicadora, edição de vídeos e manutenção do site e das mídias sociais."

Miranda's profile
Miranda Matheus

Role added on team:

"Guia turístico local, atua no mapeamento e estruturação dos atrativos."

Emanuela's profile
Emanuela Figueiredo Duarte

Role added on team:

"Atua como mobilizadora e educadora na área do turismo e da permacultura"

Luciana's profile
Luciana ALLAIN

Role added on team:

"Professora da UFVJM que atua na tutoria e articulação de parcerias."

Cesar Augusto's profile
Cesar Augusto de Souza Neves

Role added on team:

"Atua como educador no campo da agroecologia."

99 comments

Join the conversation:

Comment
Spam
Photo of Mariana Brunini
Team

Parabéns pelo projeto!

View all comments