Roteiros da Ilha da Madeira - Turismo de Experiência Caiçara

Projeto de Turismo de Base Comunitária que promove o resgate e a valorização de memórias e saberes Caiçaras por meio de roteiros e vivências

Photo of Rosana Dias
9 27

Written by

Nome completo do(a) representante do projeto

Rosana Dias de Araújo Carvalho

E-mail

roteirosdailhadamadeira@gmail.com

Nacionalidade

Brasileira

Gênero

  • Feminino

Data de Nascimento

2111963
Os Roteiros da Ilha da Madeira nasceram da necessidade de resistir da comunidade madeirana. Pensamos juntos em um projeto que pudesse desenvolver nosso território, através dos saberes e das práticas da nossa comunidade, além de nos fortalecer como caiçaras. Sendo assim, o turismo surge como ferramenta ideal para o desenvolvimento sustentável da nossa região e o resgate da cultura caiçara. Aproveitando todos os potenciais humanos que temos na Ilha da Madeira, desenvolvemos processos que integram moradores, formando uma teia horizontal que tem como ponto de partida a nossa realidade sociocultural. Nossos roteiros são frutos de uma construção coletiva com uma rede de pesquisa e processos autogestionários, que têm como objetivo proporcionar uma experiência transformadora para nós e nossos visitantes. Nossos roteiros são permeados por belezas naturais, histórias, experiências e afetos que dialogam com os entendimentos do nosso território e promovem transformações.

Sede da organização (UF)

  • Rio de Janeiro

Site da organização

Ainda não possui.

Mídias sociais da organização

instagram.com/roteirosdailhadamadeira

Data em que você iniciou o projeto

10/2018

Estágio do projeto

  • Em crescimento (passaram das primeiras atividades; trabalhando para o próximo nível de expansão)

Elegibilidade I: Você atende a todos os critérios de elegibilidade?

  • Sim, eu tenho mais de 18 anos de idade.
  • Sou brasileira/o ou estrangeira/o residente no Brasil.
  • Tenho atuação direta e comprovada no projeto.
  • Não sou funcionário nem familiar de funcionários da Ashoka e da CTG Brasil.

Elegibilidade II: O projeto inscrito:

  • É um projeto já implementado e posso comprovar nas respostas, fotos e documentações a serem apresentadas nesta inscrição..
  • É um projeto que tem como foco pelo menos dois (2) dos quatro (4) pilares do turismo sustentável (social, cultural, ambiental e econômico) descritos na seção "Escopo e áreas de foco".

Ao se inscrever, você concorda que possamos apresentar seu trabalho nas mídias sociais e outras publicações da Ashoka e CTG Brasil, relacionadas ao Desafio?

  • Sim, eu concordo.

1) Viagem pessoal: qual a história por trás da decisão em iniciar este projeto?

O grupo deste projeto se juntou em 2018, quando participaram de uma formação em empreendedorismo social do ISES e Fundação Vale. Antes disso, eram membras do comitê de desenvolvimento sustentável da Ilha da Madeira e já promoviam ações visando a melhoria e visibilidade da comunidade. O grupo inicial era composto apenas por mulheres. Estas pescadoras, ou filhas e esposas de pescadores, além de descendentes dos primeiros moradores da região. O bairro tem a sede da primeira associação de pescadores do Brasil, a APLIM. A Ilha da Madeira é parte de nós e nós somos parte dela. E mais do que um projeto ou negócio, o Roteiros da Ilha da Madeira dá sentido e força às nossas causas. Ver o grande êxodo da população antiga da comunidade por conta da falta de oportunidades ou destruição de nossas belezas naturais, o enfraquecimento da pesca e atividades tradicionais e o esquecimento da nossa cultura, nos moveu a agir para mudar. Queremos resgatar e divulgar nossas memórias e torná-las vivas!

2) O problema: que problema você está ajudando a resolver?

A Ilha da Madeira é um importante território pesqueiro no Rio de Janeiro. Porém, teve sua principal atividade econômica enfraquecida por conta do impacto da chegada de grandes empresas na região. A cultura caiçara passou a estar restrita aos moradores mais antigos, e muitos jovens e adultos não se sentem pertencentes à ela. Além disso, a região foi tomada por um turismo predatório que não valoriza os aspectos culturais, sociais e do meio ambiente.

3) Sua solução: como seu projeto responde a esse problema? Compartilhe sua abordagem específica.

Os Roteiros da Ilha da Madeira visam promover o resgate da identidade caiçara do território por meio de experiências turísticas baseadas em vivências de saberes tradicionais e contato com a natureza local. A partir disso, dar visibilidade à comunidade tradicional, devolver a autoestima aos seus moradores, promover seu protagonismo e autonomia movimentando a economia local, seja por meio de parcerias com comércio, artesãos e demais profissionais locais para os roteiros como indiretamente pelo impacto da visibilidade e consequentemente diminuir o êxodo populacional e atrair investimentos para a comunidade.

4) Que tal incluir um vídeo sobre sua iniciativa?

Eu, Rosana, falando sobre o Centro de Memória Caiçara, que foi pensado para o projeto Roteiros da Ilha da Madeira, e que tem como principal objetivo resgatar e valorizar a identidade dos Caiçaras e seus descendentes.

5) Atividades: Destaque as principais atividades que você realiza no dia-a- dia do seu projeto.

Pesquisa cultural, comercialização, gestão, agendamento, planejamento dos roteiros, execução dos roteiros, avaliação e mapeamento para inovação.

6) Inovação: Qual inovação sua iniciativa está desenvolvendo ou adaptando para solucionar problemas na área do turismo? Como se diferencia de outras iniciativas no setor?

A cultura caiçara ainda é pouco divulgada e (re)conhecida. Porém, ela está recheada de técnicas e saberes ancestrais que podem ser reaprendidas e que contribuem diretamente para uma vida mais sustentável. Esses aprendizados serão parte dos nossos roteiros e também serão materializados com a criação do Centro de Memória Caiçara, que é parte de nossa iniciativa e ponto final dos roteiros. Ainda como inovação, temos mulheres à frente de um projeto que envolve a cultura pesqueira, utilizamos apenas embarcações tradicionais de pesca, promoveremos parceria com educadores para ampliação do impacto de nossa ação além dos roteiros (para as escolas locais), projeto feito exclusivamente por membros da comunidade e um tipo de atividade turística ( de experiência e de base comunitária) ainda não explorado na região.

7) a) Pilares do Turismo sustentável: Quais dos seguintes pilares do Turismo Sustentável o seu projeto contempla?

  • Social - iniciativas que melhorem a qualidade de vida das comunidades envolvidas, que sejam capazes de contribuir em aspectos da educação, saúde, articulação social, diversidade e atuação das comunidades.  
  • Cultural - iniciativas que valorizem as identidades e culturas locais, a preservação das histórias e os saberes tradicionais.  
  • Ambiental - iniciativas que reduzam o impacto ambiental, que ofereçam soluções de compensação, que cuidem da conservação e do uso de recursos naturais, que se proponham a regenerar áreas degradadas e que promovam educação e sensibilização ambiental.     
  • Econômico - iniciativas que atuem a partir da proposta de desenvolvimento local, que gerem emprego e renda localmente, que valorizem fornecedores locais, que construam parcerias e que fortaleçam redes de produção e serviços junto a outros agentes locais.  

7) b) Pilares do Turismo Sustentável: explique como os pilares que sinalizou na pergunta anterior estão presentes na implementação do seu projeto.

A região da Ilha da Madeira sofre há anos com o turismo predatório. Nesse sentido, pensamos um projeto com pilares no desenvolvimento da comunidade e preservação do meio ambiente. Nosso projeto tem como principal proposta integrar a comunidade, a cultura Caiçara e o meio ambiente, através de um turismo de experiência, onde os valores são o protagonismo dos moradores na atividade turística, que levam em consideração os aspectos culturais, sociais, ambientais e econômicos que existem dentro do território da Ilha da Madeira.

8) Impacto: quais impactos seu projeto causou até agora? Considere impactos internos na estabilidade da sua organização e externos em relação ao pilares do turismo sustentável, utilize dados

Houve um piloto em fevereiro, com 10 turistas. O roteiro que vendemos incluiu café da manhã Caiçara, passeio de barco pesqueiro, mergulho, trilha na mata atlântica com identificação de plantas usadas pela comunidade, almoço na ilha vizinha produzido por uma família de pescadores local, vivência de saberes caiçaras com um pescador antigo da região e finalização no Centro de Memória Itinerante da cultura Caiçara. Os turistas ficaram encantados em (re)conhecerem a riqueza cultural e histórica da Ilha da Madeira, os saberes da comunidade, o modo de vida dos pescadores e os deliciosos sabores da culinária madeirana. Alguns desconheciam tamanha beleza tão próxima à capital do RJ. A comunidade participou ativamente com a venda do café da manhã, almoço, transporte de barco, venda de artesanato e doces da região. Em novembro de 2019, promovemos o Festival de Frutos do Mar. Conseguimos o patrocínio de grandes empresas. O evento recebeu cerca de 3 mil pessoas e era composto por barracas de culinária e artesanato de moradores (alguns ainda não atuavam com comércio) e atrações culturais de artistas locais. O evento foi um sucesso e trouxe aos moradores muita confiança no poder da comunidade.

9) Estratégias de crescimento: Quais são seus planos para fomentar o crescimento de sua iniciativa?

Estamos investindo mais em divulgação, equipamentos e protocolos de segurança por conta da nova realidade, na ampliação do Centro de Memória da Cultura Caiçara Itinerante e em pesquisa histórico-cultural. Para a próxima temporada teremos novos produtos como os Roteiros rurais caiçaras, focado em um outra saber da comunidade caiçara local de agricultura em consonância com a natureza do território; os roteiros em formato pocket, para pequenos grupos, casais ou individual e o roteiro "pequeno caiçara", focado em crianças e jovens em idade escolar e educadores da região, visando promover os saberes para as novas gerações.

10) Colaboração: como a sua iniciativa colabora com outros atores (governos, universidades, empresas, associações da sociedade civil) para fazer a diferença? Você realiza alguma parceria?

Temos parceria com as associações de pescadores locais, conselho de produtores rurais da região e igrejas locais. Já realizamos parcerias com empresas locais como o Instituto ISES, Fundação Vale, Vale, ICN, Porto Sudeste e IPÊ. Sim, temos parceria com o ISES e Programa AGIR Baía de Sepetiba da Fundação Vale. Temos também parceria com uma cooperativa de materiais recicláveis local e outros empreendimentos comunitários da região. Gostaríamos de construir parcerias com universidades, principalmente para ampliar o levantamento de informações sobre a memória do território e gerar pesquisas, parceria com o governo local para conseguirmos um espaço definitivo para o Centro de Memória, parceria com outras comunidades caiçaras e empresas interessadas em investir em nossa comunidade.

11) Inspirar novos agentes de transformação: você tem influenciado outras organizações e pessoas a se envolverem no seu projeto e/ou a se preocuparem com o Turismo Sustentável? Se sim, como?

Sim. Oferecemos treinamento de guia turístico para jovens da região. Oferecemos orientações sobre preservação ambiental através da cooperativa de material reciclável para moradores da região. Gostaríamos de ampliar ainda mais ações formativas como essas.

12) a)Quais dos seguintes recursos sua organização obteve até o momento?

  • Suporte de amigos
  • Apoio da família
  • Vendas
  • Participação em programas de incubação e aceleração

12) b) Planejamento Financeiro: como você planeja financiar o seu projeto a curto, médio e longo prazo?

Plano de investimento - Curto: Vendas de roteiros (40%), apoio e patrocínio de parceiros (10%) investimentos pessoais (10%) e investimento de incubação (40%). Médio - Vendas dos roteiros (70%), apoio e patrocínio de parceiros (20%), investimento de incubação (10%). Longo - Vendas dos roteiros (100%) + apoio e patrocínio de parceiros para outros projetos.

12) c) Quanto você já investiu no seu projeto para a operação deste ano?

  • Investimento entre R$10.000 e R$50.000

12) d) Qual é o orçamento necessário para o funcionamento do seu projeto durante 1 ano?

  • entre R$ 10.000 e R$ 50.000

13) Equipe: qual é a atual composição da sua equipe (papéis, qualificação, tempo integral x temporários, etc)? Como essa composição se transformará no futuro do seu projeto?

Rosana Dias - Gestora de Operações e Parcerias- Líder comunitária da região - dedicação integral Matheus Gonçalves - Coordenação de Guias e Pesquisa - Estudante de agronomia - dedicação integral Nathalia Tokiko - Planejamento estratégico e gestão adm/financeira- Engenheira civil - dedicação parcial Eliane - Comercial e atendimento ao cliente - Pescadora e vendedora - dedicação integral Simone Coelho - Comunicação e comercial - Pescadora e Comerciante - dedicação parcial

14) Diversidade na equipe: descreva a diversidade de sua equipe e inclua informações sobre a distribuição de cargos.

Rosana Dias - Mulher, branca, 57 anos, líder comunitária, atua em uma cooperativa de reciclagem e na igreja local. Matheus Gonçalves - Homem, branco, 21 anos, descendente de indígenas que antigamente ocupavam a região e de família de pescadores artesanais. Nathalia Tokiko - Mulher, nissei, 25 anos. Filha e neta de pescadores imigrantes japoneses. Seu pai é uma importante liderança e representante da pesca artesanal no Estado. Eliane - Mulher, 38 anos. Pescadora e esposa de pescador artesanal da região e de família de pescadores. Simone Coelho - Mulher, 45 anos, pescadora e comerciante local. Filha de pescador e esposa de pescador.

15) a) Diversidade do público de sua iniciativa: o seu projeto tem como foco específico algum dos seguintes grupos?

  • Outra Comunidade Tradicional

15) b) Diversidade de público da iniciativa: Dê exemplos reais de como o seu projeto está conseguindo impactar todos os grupos que você indicou na pergunta anterior.

Resgatando e fomentando a cultura caiçara, e através desse modelo empoderar outras comunidades tradicionais.

16) Como você soube desse desafio?

  • Recomendado por outras pessoas

17) ADAPTABILIDADE: Como sua iniciativa contribui para a resiliência socioeconômica e cultural da comunidade em que você atua? Ou seja, como ela ajudou a comunidade a se adaptar em uma situação de crise como a pandemia da covid-19?

Buscamos criar uma rede de comunicação para que todos os moradores, inclusive os com menos acesso, pudessem estar informados sobre os protocolos sanitários da Organização Mundial da Saúde. Além disso, adaptamos todos os nossos roteiros para a nova realidade pandêmica e estamos realizando as adequações necessárias para assegurar nossa comunidade e os turistas. Adaptações já realizadas: diminuição do número de turistas por roteiro, distanciamento nas embarcações, análise constate da saúde da equipe direta dos roteiros, compra de materiais e produtos sanitários para manter a higienização pessoal e de todos os espaços utilizados pelos turistas. Além disso, estamos realizando uma entrevista de pré roteiro e assinatura de um termo de responsabilidade com a finalidade de avaliar a saúde dos turistas para não ocorrer casos de contaminação durante os roteiros e em nossa comunidade. Criamos algumas exigências como o uso de máscara e distanciamento durante a duração dos roteiros e a estada na comunidade, incluindo as paradas dos roteiros, o café da manhã, o almoço e a visita ao Centro de Memória da Cultura Caiçara. Fomos certificados com o Selo de Turismo Consciente do Estado Rio de Janeiro.

18) MUDANÇAS SISTÊMICAS: Você diria que sua atuação gera ou visa a mudança sistêmica? Caso sim, por favor explique.

Dentro do nosso projeto buscamos através da autogestão dialogar com os saberes do nosso território, buscando a emancipação da nossa comunidade. Nesse sentido, pensamos o projeto para que ele possa contemplar toda a criatividade dos moradores da Ilha da Madeira, que vai desde de artesãos, pescadores, até as cozinheiras de pratos típicos, e de forma completamente autogestionada, pensamos em uma teia horizontal que possa favorecer cada vez mais a nossa comunidade. Nosso projeto visa provocar uma mudança sistêmica na região, onde a comunidade se apodere do processo de autogestão, exercitando a autonomia e buscando a soberania financeira dentro do próprio território. Para isso, cada detalhe dos nossos roteiros turísticos, foi pensado para abarcar os moradores locais, favorecendo o desenvolvimento de empreendimentos, a promoção de produtos próprios da região e fomentando processos formativos com agentes nascidos na comunidade.

19) TURISMO COMO VETOR DE DESENVOLVIMENTO: Você consegue exemplificar, a partir da sua experiência, como o turismo pode colaborar localmente para um sistema de criação de valor compartilhado?

Vemos o turismo como ferramenta fundamental para o desenvolvimento social, econômico e sustentável da Ilha da Madeira. Identificamos a necessidade de um turismo que contemplasse a nossa comunidade de forma integral. Sendo assim, desenhamos os nossos roteiros com base na atuação de moradores da comunidade, nos pequenos negócios, na diversidade local, nos recortes geográficos, na preservação do meio ambiente e nos elementos de resgate da cultura e identidade Caiçara. Temos como principal objetivo criar sinergias dentro do território madeirano e desenvolver novos segmentos de mercado, tal como o turismo cultural e o turismo de experiência, fomentar empreendimentos, fortalecer a autonomia dos moradores e promover geração de trabalho e renda, através dos nossos roteiros turísticos.

20) REPLICABILIDADE: Para você, é possível identificar outros projetos que foram inspiradores para sua iniciativa? Em quais aspectos? E como o seu projeto se preocupa em inspirar outras iniciativas e ser replicado em outros contextos? Há alguma estratégia para viabilizar sua replicação?

Nos inspiramos em projetos de valorização da identidade quilombola em quilombos próximos a nossa região, que atuam com Turismo de Base Comunitária. Percebemos que esses projetos tinham como objetivo o resgate e a manutenção do sentimento de pertencimento dos moradores locais e da cultura como principal ferramenta de resistência. A partir disso começamos a pensar um projeto que trouxesse esses aspectos para nossa região, além de desenvolver economicamente o território. Todos os nossos processos foram pensados para que o nosso projeto possa ser replicado em outros territórios Caiçaras, assim como resgatar saberes e práticas em autogestão, rompendo com a ideia de acumulação individual e uso inconsciente dos recursos.

21) UTILIZAÇÃO DO PRÊMIO - Caso sua inciativa seja uma das três iniciativas selecionadas para receber o prêmio em dinheiro, como pretende investir o valor recebido?

Pretendemos estruturar os nossos processos internos, diversificando roteiros, ampliando o Centro de Memória Caiçara, investindo em pesquisas, em infraestrutura, apoio técnico e aumento do alcance dos nossos roteiros através de um plano de comunicação eficiente.

22) a) TURISMO SUSTENTÁVEL: o que é turismo sustentável para você?

O Turismo Sustentável tem que garantir o desenvolvimento da comunidade através de geração de trabalho local, a análise constate dos impactos turísticos na região, evitando turismo em massa, distribuição justa de custos e benefícios, fortalecimento de negócios e produtos locais visando a emancipação econômica dos moradores, valorização das atividades culturais locais, uso produtivo de espaços não valorizados e incentivo direto para preservação do Meio Ambiente.

22) b) TURISMO SUSTENTÁVEL: Com base na sua experiência, quais você considera serem os principais desafios para a implementação de iniciativas de turismo sustentável na atualidade? Quais caminhos você vislumbra para superá-los?

Um dos maiores desafios é engajar toda a comunidade para a importância da emancipação social, fomentando agentes de transformação locais. Como ferramenta para superar esse desafio, desenvolvemos processos formativos construídos pelos próprios moradores e que favorecem práticas democráticas e fortalecem a atuação de moradores. Como exemplo podemos citar o Festival de Frutos do Mar, onde cada morador foi convidado a participar com seus produtos ou serviços, passando por um processo de formação através de reuniões e colaboração coletiva para empreenderem no festival. Outro desafio é organizar o uso do território para enfraquecer o turismo predatório, que não tem nenhum comprometimento com a comunidade e nem com o meio ambiente. Nossos roteiros vislumbram construir práticas turísticas que não visam o lucro acima de tudo, pelo contrário, procuramos seguir as orientações do artigo 3 código de ética da Organização Mundial de Turismo, que fomenta um turismo mais preocupado com a comunidade, com um número reduzido de turistas e uma preocupação central com o meio ambiente e a comunidade local.

22) c) TURISMO SUSTENTÁVEL: Quais oportunidades você considera importantes para fortalecer iniciativas de turismo sustentável?

Oportunidades de diálogos com a comunidade local, ações de incentivo à práticas de aprendizagens e autogestão, resgate cultural Caiçara, desenvolvimento de negócios e produtos locais, incentivo ao empreendedorismo local, incentivo à pesquisa, troca de saberes com outras comunidades, replicabilidade em territórios com o mesmo contexto histórico/espacial da Ilha da Madeira e com os mesmos problemas sociais e etc.

Evaluation results

12 evaluations so far

1. IMPACTO: Esta iniciativa demonstra impacto relevante, e com evidências quantitativas e qualitativas?

Com toda certeza. - 50%

Sim, há evidências quantitativas e qualitativas de seu impacto na comunidade. - 25%

De forma parcial. - 8.3%

Não, há pouca evidência de resultados de impacto. - 16.7%

Não. - 0%

2. INOVAÇÃO: Esta iniciativa desenvolveu e implementou uma abordagem inovadora?

Com toda certeza. - 33.3%

Sim, tem características inovadoras. - 25%

De forma parcial. - 25%

Não, há pouca evidência demonstrada. - 16.7%

Não. - 0%

3. PLANEJAMENTO FINANCEIRO E OPERACIONAL: A iniciativa tem como base um modelo de negócio viável e mostra planos realistas de longo prazo para a sustentabilidade financeira?

Com toda certeza. - 25%

Sim, a iniciativa tem um bom modelo de negócio. - 41.7%

De forma parcial. - 25%

Insuficiente. - 0%

Não. - 8.3%

4. REPLICABILIDADE & CRESCIMENTO: Avalie a escalabilidade da iniciativa. Ela tem potencial de ser replicada em outros contextos sociais, culturais e/ou geográficos?

Com toda certeza. - 50%

Sim, a iniciativa demonstra potencial. - 33.3%

De forma parcial. - 8.3%

Insuficiente. - 8.3%

Não. - 0%

5. AGENTES DE TRANSFORMAÇÃO: Uma/um agente de transformação social é alguém que se propõem a lidar e encontrar soluções coletivas para o bem de uma comunidade, um grupo, uma localidade. Queremos saber: essa iniciativa ajuda a inspirar e apoiar outras pessoas a se tornarem agentes de transformação em suas comunidades?

Com toda certeza. - 58.3%

Sim, a iniciativa demonstra potencial. - 25%

De forma parcial. - 16.7%

Insuficiente. - 0%

Não. - 0%

6. DIVERSIDADE: Esta iniciativa demonstra a inclusão de públicos diversos em sua iniciativa, seja nos parceiros com os quais colabora e/ou na composição de sua equipe?

Com toda certeza. - 50%

Sim, a iniciativa demonstra potencial. - 33.3%

De forma parcial. - 0%

Insuficiente. - 16.7%

Não. - 0%

7. AVALIAÇÃO GERAL: De forma geral, você considera que esta iniciativa deve avançar para a próxima fase do Desafio e se tornar um semifinalista?

Sim, com toda a certeza! - 54.5%

Sim, acredito que sim. - 18.2%

Talvez. - 9.1%

Provavelmente não. - 18.2%

Não. - 0%

Attachments (1)

9 comments

Join the conversation:

Comment
Spam
Photo of Beatriz Cabral
Team

Parabéns pelo Projeto. O contexto de vocês é semelhante ao do Litoral do Paraná .

View all comments