Visite Caldas: Trilhando o Turismo de Base Comunitária e a Agroecologia na Serra da Pedra Branca

Promover ações de desenvolvimento do Turismo de Base Comunitária e Agroecologia em Caldas e ampliar a participação social dos atores locais

Photo of Paula Versiani Borges
12 12

Written by

Nome completo do(a) representante do projeto

Paula Versiani Borges

E-mail

paulaversiani@gmail.com

Nacionalidade

Brasileira

Gênero

  • Feminino

Data de Nascimento

30101976

Sede da organização (UF)

  • Minas Gerais

Mídias sociais da organização

https://www.facebook.com/aliancapelapedrabranca/ https://www.instagram.com/aliancapedrabranca/ https://vimeo.com/248702834 https://www.youtube.com/watch?v=y-U_YocnKKg

Data em que você iniciou o projeto

04/2017

Estágio do projeto

  • Em crescimento (passaram das primeiras atividades; trabalhando para o próximo nível de expansão)

Elegibilidade I: Você atende a todos os critérios de elegibilidade?

  • Sim, eu tenho mais de 18 anos de idade.
  • Sou brasileira/o ou estrangeira/o residente no Brasil.
  • Tenho atuação direta e comprovada no projeto.
  • Não sou funcionário nem familiar de funcionários da Ashoka e da CTG Brasil.

Elegibilidade II: O projeto inscrito:

  • É um projeto já implementado e posso comprovar nas respostas, fotos e documentações a serem apresentadas nesta inscrição..
  • É um projeto que tem como foco pelo menos dois (2) dos quatro (4) pilares do turismo sustentável (social, cultural, ambiental e econômico) descritos na seção "Escopo e áreas de foco".

Ao se inscrever, você concorda que possamos apresentar seu trabalho nas mídias sociais e outras publicações da Ashoka e CTG Brasil, relacionadas ao Desafio?

  • Sim, eu concordo.

1) Viagem pessoal: qual a história por trás da decisão em iniciar este projeto?

Como turismóloga, trabalho com desenvolvimento turístico municipal desde 2004, acredito no turismo comunitário como um vetor real de desenvolvimento e transformação local. Ao longo dos anos, participei de vários projetos relevantes no estado de Minas Gerais, que me trouxeram experiência e maturidade, mas foi na cidade de Caldas, lugar de natureza abundante, que me senti acolhida. Neste lugar, tive a oportunidade de me integrar a Aliança em Prol da APA da Pedra Branca, que tem como fim a promoção do desenvolvimento sustentável e solidário e a proteção da agrobiodiversidade na Serra da Pedra Branca. A entidade possui histórico de lutas e resistências contra as ações predatórias de mineradoras no território. Nesse sentido, sua estrutura está sedimentada em núcleos de ação e resistência, dentre os quais, fundei e coordeno o núcleo de turismo comunitário. Fruto disto é o Projeto Visite Caldas, que tem inspirado a construção junto a comunidade com bases no desenvolvimento local e sustentável

2) O problema: que problema você está ajudando a resolver?

O avanço da mineração de granito na Serra da Pedra Branca, nas últimas décadas, é ameaça recorrente aos patrimônios naturais. A atividade da mineração destoa e desestrutura a vocação histórica do município que são, em primeiro plano, a agricultura familiar tradicional e a produção de vinho; e em segundo, a atividade artesanal e o turismo. Fomentar o Turismo de Base Comunitária e a agroecologia fortalecerá a verdadeira vocação de Caldas e contribuirá para o desenvolvimento local sustentável

3) Sua solução: como seu projeto responde a esse problema? Compartilhe sua abordagem específica.

O Projeto Visite Caldas realizará ações de fortalecimento dos atores locais e a formação de agentes comunitários para atuar na construção de ambientes mais resilientes e biodiversos. O TBC e a agroecologia serão ferramentas metodológicas que envolverá grupos de agricultores familiares, orgânicos e/ou em transição agroecológica. Para isto, o núcleo de agroecologia da Aliança será parceiro nesta gestão através das ações em curso de fortalecimento da agricultura familiar na região de impacto das mineradoras. Os atores envolvidos serão agricultores familiares, uma aldeia indígena e jovens da zona rural. As etapas do Projeto estão divididas em 4 fases: 1) Sensibilização e Mobilização: continuidade das atividades do Projeto Agroecologia na Serra da Pedra Branca e ampliação para o TBC: identificação dos grupos interessados e lideranças locais; diagnóstico participativo; 2) Capacitação e Formação: curso de monitores de turismo, cama café, formação em hospitalidade, agroecologia, educação ambiental, medidas sanitárias, produção associada ao turismo e formação da rede. Serão priorizados jovens, mulheres rurais e indígenas; 3) Produtos Turísticos: roteiros de experiência, elaboração do mapa turístico, consolidação dos receptivos nas comunidades e locais para atendimento dos monitores de turismo, exposição e venda de produtos locais. 4) Divulgação e Avaliação e partilha dos resultados do projeto com a comunidade

4) Que tal incluir um vídeo sobre sua iniciativa?

Projeto Visite Caldas - Aliança em prol da APA da Pedra Branca

5) Atividades: Destaque as principais atividades que você realiza no dia-a- dia do seu projeto.

As ações dos núcleos de ação e resistência da Aliança envolvem o Turismo e a Agroecologia. No turismo, mapeamento e sistematização dos pontos de interesse turístico do município; reuniões com representantes das comunidades, empresários do turismo; construção de uma rede de relações entre poder público, iniciativa privada e sociedade civil; Rota religiosa do Caminho da Fé; Tenda turístico-cultural do Programa Visite Caldas na Festa do Biscoito, incluindo aplicação de pesquisa de demanda; colaboração no Festival de Violas e Sonhos da Pedra Branca. No núcleo de agroecologia, 2017: Feira Agroecológica; I Encontro da Agricultura Familiar. 2018: Mutirões Agroecológicos; Intercâmbio de experiências; Encontro Regional de Agroecologia; 2019: Formalização do Núcleo Sistema Participativo de Garantia da Produção Orgânica Araucária; II Encontro da Agricultura Familiar; Curso adubação; Grupo Consumo Responsável; Vistas de pares e verificação da conformidade orgânica. 2020: Selo orgânico da produção.

6) Inovação: Qual inovação sua iniciativa está desenvolvendo ou adaptando para solucionar problemas na área do turismo? Como se diferencia de outras iniciativas no setor?

A inovação do Visite Caldas se baseia em processos cocriativos tendo o turismo e agroecologia como alicerces para o modelo de desenvolvimento do Turismo de Base Comunitária. As ações agroecológicas em Caldas tem fortalecido a agricultura familiar (AF), formando uma rede sólida entre produtores rurais e consumidores com contribuição direta para o resgate da vocação do lugar: Caldas é um município turístico com forte disposição para o turismo rural e o ecoturismo; Unindo a sustentabilidade da agroecologia e o turismo rural como um agregador de renda e capital social, junto da produção associada podemos construir um grande produto turístico e transformar a realidade local. Sabemos que quando se fala em Turismo de Base Comunitária existe realmente oportunidade da comunidade anfitriã receber boa parte das receitas geradas pelo turismo, pois o TBC preza por experiências genuínas e sustentáveis e nada mais genuíno que viver intensamente o lugar que visita. Esse é um modelo de desenvolvimento desafiador já que conciliar interesses não é tarefa fácil, porém, tem sido implantado em outros destinos e trazido mudança de hábitos e tido sucesso. No momento atual, o território está em uma encruzilhada sobre o modelo de desenvolvimento almejado. O trabalho da Aliança em Prol da APA da Pedra Branca, em parceria com atores locais e regionais vem acumulando passos de resistência ao modelo de exploração ambiental, na área jurídica e social, e apresentando alternativas sustentáveis concretas.

7) a) Pilares do Turismo sustentável: Quais dos seguintes pilares do Turismo Sustentável o seu projeto contempla?

  • Social - iniciativas que melhorem a qualidade de vida das comunidades envolvidas, que sejam capazes de contribuir em aspectos da educação, saúde, articulação social, diversidade e atuação das comunidades.  
  • Cultural - iniciativas que valorizem as identidades e culturas locais, a preservação das histórias e os saberes tradicionais.  
  • Ambiental - iniciativas que reduzam o impacto ambiental, que ofereçam soluções de compensação, que cuidem da conservação e do uso de recursos naturais, que se proponham a regenerar áreas degradadas e que promovam educação e sensibilização ambiental.     
  • Econômico - iniciativas que atuem a partir da proposta de desenvolvimento local, que gerem emprego e renda localmente, que valorizem fornecedores locais, que construam parcerias e que fortaleçam redes de produção e serviços junto a outros agentes locais.  

7) b) Pilares do Turismo Sustentável: explique como os pilares que sinalizou na pergunta anterior estão presentes na implementação do seu projeto.

O Visite Caldas promoverá o envolvimento das comunidades no resgate das suas tradições culturais, socioambientais e econômica. Valorizará e visibilizará os saberes locais como forma de solução às ameaças de projetos de desenvolvimento destoantes da vocação histórica do lugar. A autoestima dos indivíduos e da coletividade levantada neste processo potencializam e afirmam identidades locais. Culturalmente, os processos de cocriação promovem as trocas dos saberes e fazeres entre os anfitriões e o efeito é a conscientização de seu valor. O intercâmbio entre anfitriões e visitantes promovem experiências ricamente entre ambos atores, onde a comunidade receptora tem sua identidade valorizada e respeitada. Do ponto de vista ambiental, comunidades envolvidas no Visite Caldas estão inseridas em ambientes naturais e seus modos tradicionais de vida estão intimamente ligados a preservação ambiental e uso consciente dos recursos naturais. Além disso, tendo o meio ambiente como cenário de seu sustento, fazem a gestão do território de forma consciente. Economicamente, o turismo é um vetor de desenvolvimento e geração de emprego e renda, estimula a economia, a produção agrícola local alimentando o ciclo de produção e consumo, ampliando os benefícios econômicos a partir da atividade turística.

8) Impacto: quais impactos seu projeto causou até agora? Considere impactos internos na estabilidade da sua organização e externos em relação ao pilares do turismo sustentável, utilize dados

Internamente, o projeto teve impacto direto na remuneração de 3 gestoras e agregou outros 6 voluntários. Remunera 2 pessoas para a consecução da administração dos recursos financeiros. As gestoras reforçam a base sólida dos Núcleos de Ação e Resistência sobre ações executadas e planejamentos estratégicos. Externamente, o Projeto Araucária Viva de tem seu maior impacto na formação de um núcleo social de cerca de 30 agricultores que participaram de 10 atividades de intercâmbios e mutirões agroecológicos; criou um núcleo de certificação orgânica participativa com 5 unidades de produção envolvendo 8 agricultores familiares. O grupo certificado está inserido na Rede Regional Orgânicos Sul de Minas, que abarca mais de 200 agricultores orgânicos. Apoio a formação e a gestão de um grupo de 32 consumidores da cidade para realização de compras direta da AF orgânica e agroecológica de Caldas. Foram feitos: 1 Encontro Regional de Agroecologia, 150 pessoas; 2 Seminários da AF de Caldas, 120 pessoas. 275 Cestas Verdes doadas para famílias atingidas pela pandemia. Estas ações possibilitaram a ampliação de técnicas agroecológicas com a multiplicação para seus pares e maior consciência ambiental.

9) Estratégias de crescimento: Quais são seus planos para fomentar o crescimento de sua iniciativa?

O Visite Caldas busca colocar as pessoas no centro das decisões e ações, permitindo um sustentamento genuíno das iniciativas e um crescimento baseado na experiência e no ritmo respeitoso da localidade. O projeto implementado no primeiro ano trata-se de um piloto que depois de ter o modelo testado e validado com os primeiros resultados nos processos de formação e o funcionamento das visitações, será replicado nos demais bairros rurais e distritos de Caldas com previsão de conclusão nos próximos 3 anos. Tendo a Aliança em prol da APA da Pedra Branca uma atuação direta que abrange os municípios de Santa Rita de Caldas, Ibitiúra e Andradas, pretendemos estender o modelo de turismo de base comunitária, tendo a agroecologia como metodologia norteadora, ao longo dos próximos 5 anos a fim de formar uma rede que se integre em um grande corredor turístico sustentável. Para viabilizar o corredor turístico faremos parcerias com o poder público, as instituições de ensino e a sociedade civil.

10) Colaboração: como a sua iniciativa colabora com outros atores (governos, universidades, empresas, associações da sociedade civil) para fazer a diferença? Você realiza alguma parceria?

A Aliança é constituída por 14 associações da sociedade civil, com as quais mantém estreita colaboração para os objetivos de preservação do patrimônio ambiental e cultural. Representa a sociedade civil com um assento no Conselho Gestor da APA da Pedra Branca e participa da COPAM, órgão ambiental regional. Tem colaborado com a comunidade caldense através de palestras nos centros educativos e realizou a articulação e mapeamento dos pontos de interesse turístico, diagnóstico que será apresentado a comunidade e servirá de material para as ações futuras do Conselho Municipal de Turismo. Tem construído parcerias em assessoria técnica da produção e comercialização com a EMATER. Participa no Programa Semeando a Terra, junto com a Universidade Federal de Alfenas e o Instituto Federal Sul de Minas, para a realização de projetos e cursos na área ambiental. A Aliança tem se colocado também em colaboração ativa dentro da Orgânicos Sul de Minas para o fortalecimento da agricultura orgânica na região

11) Inspirar novos agentes de transformação: você tem influenciado outras organizações e pessoas a se envolverem no seu projeto e/ou a se preocuparem com o Turismo Sustentável? Se sim, como?

Sim. O Visite Caldas apresentou a metodologia do Turismo de Base Comunitária para o Núcleo de Agroecologia. Ressaltou a importância em agregar a agricultura familiar de Caldas ao TBC e fortalecer os processos em curso no Projeto Araucária Viva. As ações de sustentabilidade, agroecologia e produção orgânica e ativismo do Grupo de Consumo Responsável, unido ao Visite Caldas potencializa a verdadeira vocação do município com as bases para o desenvolvimento sustentável.

12) a)Quais dos seguintes recursos sua organização obteve até o momento?

  • Suporte de amigos
  • Apoio da família
  • Mentores / conselheiros

12) b) Planejamento Financeiro: como você planeja financiar o seu projeto a curto, médio e longo prazo?

O cronograma físico financeiro das etapas 1, 2 e 3 do projeto Visite Caldas tem suas ações programadas a serem desenvolvidas em 1 ano, portanto a curto prazo temos: 1ª Etapa: realização de encontros de sensibilização, mobilização, identificação de lideranças e diagnóstico, em 2 meses; 2ª etapa: capacitações em turismo rural e pedagógico, agroecologia, educação ambiental, e definição de produto associada ao agroecoturismo, e medidas sanitárias para prevenção do COVID-19, em 6 meses; 3ª etapa: elaboração e teste dos roteiros de experiência, mapa turístico, consolidação dos receptivos (locais de atendimento ao turista, exposição e venda de produtos locais), em 4 meses. O percentual orçamentário está dividido da seguinte forma: 44,43% equipe técnica; 29,52% destinados aos facilitadores/capacitações; 18,10% prestação de serviços de terceiros e materiais e 7,95% para logística, totalizando o valor de R$99.930,00. As fontes de renda para a realização do projeto provêm 4,6% de doações, 76,92% do edital Ashoka e 18,5% do Projeto Araucária Viva em curso atualmente. Finalizada as etapas, teremos ações de médio prazo (3 anos) focadas na abrangência da área desenvolvida, ou seja, para demais bairros rurais e distritos do município. Os recursos serão provenientes de captação através de editais e doações para a organização e a longo prazo (5 anos) na criação do corredor turístico sustentável que inclui outros 3 municípios cujo recurso será partilhados entre os municípios envolvidos.

12) c) Quanto você já investiu no seu projeto para a operação deste ano?

  • Investimento entre R$50.000 e R$100.000

12) d) Qual é o orçamento necessário para o funcionamento do seu projeto durante 1 ano?

  • acima de R$ 100.000

13) Equipe: qual é a atual composição da sua equipe (papéis, qualificação, tempo integral x temporários, etc)? Como essa composição se transformará no futuro do seu projeto?

A equipe do projeto Visite Caldas é composta por quatro gestoras, sendo uma Turismóloga, duas Geógrafas, e uma Engenheira Agrônoma. Em cada atividade nas comunidades participantes, temos o papel de uma coordenadora de turismo, e uma coordenadora de agroecologia que terão dedicação exclusiva de 20 horas semanais no projeto, além da colaboração com o Projeto Araucária Viva para duas coordenadoras de agroecologia, e um auxiliar administrativo que terão dedicação exclusiva de 20 horas semanais no projeto. No decorrer do projeto, contaremos com facilitadores temporários para temas específicos, sendo preferencialmente profissionais das próprias comunidades parceiras.

14) Diversidade na equipe: descreva a diversidade de sua equipe e inclua informações sobre a distribuição de cargos.

Nossa equipe permanente é composta por quatro mulheres, uma idealizadora do projeto e três parceiras no desenvolvimento, sendo estas, uma coordenadora do núcleo de turismo da Aliança em prol da APA da Pedra Branca e as outras três, coordenadoras do núcleo de agroecologia Araucária Viva. Como parceria já estabelecida, temos um contador e uma auxiliar administrativa. A inclusão de mulheres e da diversidade é valiosa e constitui nossos pilares estruturais, estará presente e evidente quando ocorrer a ampliação da equipe.

15) a) Diversidade do público de sua iniciativa: o seu projeto tem como foco específico algum dos seguintes grupos?

  • Comunidade de baixa renda
  • Comunidade rural
  • Comunidade indígena

15) b) Diversidade de público da iniciativa: Dê exemplos reais de como o seu projeto está conseguindo impactar todos os grupos que você indicou na pergunta anterior.

O Projeto Visite Caldas, decorrente da atuação dos Núcleos de Turismos e Agroecológico da Aliança em prol da APA da Pedra Branca, foi elaborado especificamente para ser implementado em comunidades rurais e aldeia indígena, onde o primeiro acontece desde abril de 2017 e o segundo desde janeiro de 2019 com os quaisl já temos uma parceria. Os impactos são diretamente junto às comunidades rurais e indígena.

16) Como você soube desse desafio?

  • Mídia social
  • Recomendado por outras pessoas

17) ADAPTABILIDADE: Como sua iniciativa contribui para a resiliência socioeconômica e cultural da comunidade em que você atua? Ou seja, como ela ajudou a comunidade a se adaptar em uma situação de crise como a pandemia da covid-19?

O turismo é uma das atividades que mais sofreu com a pandemia. O município de Caldas teve rigorosas restrições através de barreiras e controles das entradas como a principal medida de contenção sanitária para assegurar a saúde da comunidade. Nesse sentido, as atividades turísticas foram completamente paralisadas durante 7 meses. Durante este período, o Núcleo de Turismo buscou alavancar o debate sobre a atividade turística de forma remota, realizando lives para dialogar com a comunidade e trazer reflexões sobre o momento atual e pós pandemia. Outra atividade concreta deste momento, foi a participação na organização do III Festival Pedra Branca de Violas e Sonhos na cidade de Caldas, que neste ano aconteceu de forma virtual. O Núcleo de Turismo realizou uma ação para abordar a importância do Festival como animador de processos culturais que contribuem para valorizar o turismo rural e cultural. O Núcleo de Agroecologia também esteve ativo realizando um processo inovador com assessoria técnica virtual agroecológica para animar os agricultores a permanecerem com a produção orgânica local. Foram feitos vídeos caseiros por parte dos agricultores e produzido material audiovisual para compartilhar com os agricultores reflexões e solucionar problemáticas relativas a este momento. O Núcleo de Agroecologia realizou a mais importante ação para garantir o escoamento da produção agrícola e a geração de renda em que entregou mais de 300 "cestas verdes” para famílias impactadas pela pandemia. Assim, o programa realizou compra diretamente da agricultura familiar da região da Serra da Pedra Branca e doou para 50 famílias por 4 meses. Estas ações são fundamentais e correspondem à adaptabilidade do Projeto de Turismo de Base Comunitária como também ao alto grau de resiliência em que a união entre Turismo e Agroecologia apresenta. Quando ocorre um impedimento da atividade turística a comunidade permanece gerando renda através da agricultura e da comercialização local.

18) MUDANÇAS SISTÊMICAS: Você diria que sua atuação gera ou visa a mudança sistêmica? Caso sim, por favor explique.

Sim. O Turismo quando pensado para e com a comunidade tem um potencial transformador positivo. No contexto do município de Caldas, é fundamental retomar a atividade com o protagonismo da comunidade, ou seja, agricultores/as familiares, pequenos comerciantes rurais, indígenas da aldeia Kiriri do Rio Verde, jovens e mulheres do campo e da cidade. As belezas naturais do município, a sua cultura local e a agricultura familiar são as preciosidades que devem ser valorizadas para que Caldas se reconcilie com sua vocação para o desenvolvimento sustentável. Neste sentido, atuar através do Núcleo de Turismo em conjunto com o Núcleo de Agroecologia provoca uma mudança que permite coincidir desenvolvimento econômico com justiça social e ambiental. Hoje, o modelo de economia do município está sendo concentrado em atividades predatórias, tais como a mineração e o plantio extensivo de eucalipto deixando rastros de destruição ambiental e impactando diretamente a agricultura familiar local, tanto na substituição da atividade econômica por uma de menor autonomia, quanto por retirar rochas que são fundamentais para recarga hídrica e afetar a agrobiodiversidade da região. Promover um novo paradigma de desenvolvimento que resgata saberes, culturas e preserva o meio ambiente está na agenda da organização associada a este projeto. Portanto, a implementação do Turismo de Base Comunitária, alicerçada no turismo e agroecologia gera uma mudança sistêmica que vai reforçar o empoderamento, fortalecimento de vínculos comunitários e promover o sentimento de pertencimento transformando o modo de perceber a comunidade e o fazer no dia a dia dos indivíduos; consequentemente, pode estimular, através da visibilidade das comunidades em questão, a necessidade de regulação e elaboração de políticas públicas com foco no desenvolvimento sustentável.

19) TURISMO COMO VETOR DE DESENVOLVIMENTO: Você consegue exemplificar, a partir da sua experiência, como o turismo pode colaborar localmente para um sistema de criação de valor compartilhado?

O turismo se apresenta como um vetor de desenvolvimento local quando a estrutura turística considera o potencial endógeno (valorização de sua história, cultura, modos de vida, costumes, produtos, serviços, valores e crenças), converge com os interesses dos atores locais e gera emprego e renda revertidos para os mesmos. Entendendo o sistema de criação de valor compartilhado como um modelo de desenvolvimento sustentável onde ganhos econômicos geram ganhos socioambientais de maneira concomitante, repensar a formatação do produto turístico e ter o protagonismo da comunidade anfitriã nesse processo é essencial. No contexto do Visite Caldas, o projeto contribui para que nosso patrimônio natural seja preservado e enaltecido, uma vez que a premissas da agroecologia e do turismo de base comunitária corroboram para as boas práticas, além de trazer um modelo de desenvolvimento alternativo inclusivo onde a comunidade envolvida é parte integrante de processos, da prestação de serviços turísticos (hospedagem alimentação, monitor de turismo local, transporte), agente de conscientização ambiental (guardião das boas práticas, produtor de alimentos saudáveis, de hortas medicinais) e produtor local (produtos autênticos da cultura rural e indígena). Esse conjunto de cenários integrados é o resultado que buscamos como desenvolvimento para o nosso município.

20) REPLICABILIDADE: Para você, é possível identificar outros projetos que foram inspiradores para sua iniciativa? Em quais aspectos? E como o seu projeto se preocupa em inspirar outras iniciativas e ser replicado em outros contextos? Há alguma estratégia para viabilizar sua replicação?

O Visite Caldas é um projeto peculiar inserido em um cenário onde um município que tem sua vocação na agricultura familiar e no turismo rural e ecológico, tem pautado seu desenvolvimento na mineração, através da exploração de granito. Muitos são os exemplos de municípios no estado de Minas Gerais e no Brasil que vivem uma realidade parecida com Caldas, contudo, poucos são os exemplos reais de projetos turísticos de mudança de cenário e transformação de realidades. A Rede francesa Accueil Paysan, assim como a Acolhida na Colônia, são exemplos que nos baseamos em relação a agroecologia, a experiência rural, como também os projetos do Vale do Jequitinhonha nos inspira em relação ao modelo de negócio e experiências de turismo de base comunitária. Entretanto, não encontramos exemplar de mesmo cenário em um único destino no qual pudéssemos nos inspirar e espelhar. Acreditamos que a implementação da nossa iniciativa possa não só inspirar, mas principalmente, ser um exemplo de desenvolvimento sustentável para municípios que vivem realidades parecidas. Como mencionado em parte das respostas das perguntas 6 e 9, a Aliança em Prol da APA da Pedra Branca tem relacionamento muito forte com municípios vizinhos (Santa Rita de Caldas, Ibitiúra e Andradas) e que vivem realidades parecidas; pretendemos replicar a metodologia dos núcleos de agroecologia e de turismo que cocriamos, a médio e longo prazo nesses município, que são nossos parceiros na luta contra o modelo destrutivo da mineração, e criar um grande corredor turístico sustentável, onde a hospitalidade, a alimentação saudável e o turismo de experiência sejam nossa representação por escolha e de sucesso.

21) UTILIZAÇÃO DO PRÊMIO - Caso sua inciativa seja uma das três iniciativas selecionadas para receber o prêmio em dinheiro, como pretende investir o valor recebido?

O valor do prêmio será integralmente investido na execução das quatro etapas propostas: (1) condução de atividades formativas em turismo de base comunitária e agroecologia; (2) serviços de terceiros para a criação de materiais impressos e digitais de formação; material de promoção e elaboração de mapa turístico; (3) logística de transporte e alimentação para atividades; e (4) remuneração de equipe tendo coordenadora de turismo, coordenadora de agroecologia e auxiliar administrativo.

22) a) TURISMO SUSTENTÁVEL: o que é turismo sustentável para você?

Entendo o turismo sustentável aquele baseado em uma perspectiva holística de todos os elementos em um ambiente; onde há respeito pela cultura, natureza e pessoas. Esta atividade parte das comunidades que protagonizam sua gestão e se enraíza de forma orgânica e igualitária trazendo desfrute para a população visitante em um intercâmbio respeitoso, apontando perspectivas para um desenvolvimento perene em complemento com outras atividades econômicas adequadas ao ambiente local.

22) b) TURISMO SUSTENTÁVEL: Com base na sua experiência, quais você considera serem os principais desafios para a implementação de iniciativas de turismo sustentável na atualidade? Quais caminhos você vislumbra para superá-los?

Os principais desafios estão relacionados a falta de informação, interesse político e políticas públicas. Isso é confirmado quando percebemos todo o potencial cultural, artístico, turístico, criativo e natural, ou seja, todos os ativos que possuímos e que estão a mercê meramente de questões econômicas. O turismo quando é bem planejado e gerido pode de fato transformar realidades. A médio e longo prazo ele é uma ferramenta estratégica de desenvolvimento local quando concilia o destino a sua vocação, seja através do despertar da autoestima dos envolvidos, seja através do pertencimento corroborado por ações positivas que enalteçam a cultura a história do lugar e das pessoas, seja pelas oportunidades na geração de renda na prestação de serviços de maneira inclusiva. Creio que a maneira de superar os desafios seja democratizar as informações, trazer representatividade aos conselhos estaduais e municipais de turismo para que cada bairro rural de cada cidade, cada distrito, cada associação tenha voz e possa trocar suas experiências para um resultado de objetivo comum. É importante que também se crie políticas de incentivo para o pequeno produtor local, para o pequeno empreendedor, para as associações. O turismo é uma atividade de pessoas para pessoas, portanto, é mais que necessário dar visibilidade, oportunidade e proporcionar todas as ferramentas para que o desenvolvimento aconteça.

22) c) TURISMO SUSTENTÁVEL: Quais oportunidades você considera importantes para fortalecer iniciativas de turismo sustentável?

O Brasil tem todas as condições para promover iniciativas de turismo sustentável desde que tenhamos acesso a financiamentos (recursos), políticas públicas, organizações que apoiem a atividade e atores ligados a atividade turística estejam unidos e tenham um bem comum. Uma maneira de possibilitar esse cenário é a promoção de eventos com temáticas complementares e integrantes ao turismo, onde possa haver networking, trocas de experiências, intercâmbios entre profissionais de áreas diversas. Chegamos em um momento onde iniciativas/processos disruptivos são necessários para que possamos entrar em ciclos virtuosos de transformações, onde existam trocas multidisciplinares, cheias de diversidade, por que o Brasil é diverso, nossa cultura é múltipla e vários são os saberes e fazeres; esse modelo atual, meramente econômico, que acompanhamos há décadas, não responde mais as necessidades de desenvolvimento que buscamos, que é o sustentável.

Evaluation results

13 evaluations so far

1. IMPACTO: Esta iniciativa demonstra impacto relevante, e com evidências quantitativas e qualitativas?

Com toda certeza. - 33.3%

Sim, há evidências quantitativas e qualitativas de seu impacto na comunidade. - 50%

De forma parcial. - 16.7%

Não, há pouca evidência de resultados de impacto. - 0%

Não. - 0%

2. INOVAÇÃO: Esta iniciativa desenvolveu e implementou uma abordagem inovadora?

Com toda certeza. - 25%

Sim, tem características inovadoras. - 50%

De forma parcial. - 25%

Não, há pouca evidência demonstrada. - 0%

Não. - 0%

3. PLANEJAMENTO FINANCEIRO E OPERACIONAL: A iniciativa tem como base um modelo de negócio viável e mostra planos realistas de longo prazo para a sustentabilidade financeira?

Com toda certeza. - 16.7%

Sim, a iniciativa tem um bom modelo de negócio. - 50%

De forma parcial. - 16.7%

Insuficiente. - 8.3%

Não. - 8.3%

4. REPLICABILIDADE & CRESCIMENTO: Avalie a escalabilidade da iniciativa. Ela tem potencial de ser replicada em outros contextos sociais, culturais e/ou geográficos?

Com toda certeza. - 33.3%

Sim, a iniciativa demonstra potencial. - 50%

De forma parcial. - 16.7%

Insuficiente. - 0%

Não. - 0%

5. AGENTES DE TRANSFORMAÇÃO: Uma/um agente de transformação social é alguém que se propõem a lidar e encontrar soluções coletivas para o bem de uma comunidade, um grupo, uma localidade. Queremos saber: essa iniciativa ajuda a inspirar e apoiar outras pessoas a se tornarem agentes de transformação em suas comunidades?

Com toda certeza. - 33.3%

Sim, a iniciativa demonstra potencial. - 58.3%

De forma parcial. - 8.3%

Insuficiente. - 0%

Não. - 0%

6. DIVERSIDADE: Esta iniciativa demonstra a inclusão de públicos diversos em sua iniciativa, seja nos parceiros com os quais colabora e/ou na composição de sua equipe?

Com toda certeza. - 33.3%

Sim, a iniciativa demonstra potencial. - 33.3%

De forma parcial. - 25%

Insuficiente. - 8.3%

Não. - 0%

7. AVALIAÇÃO GERAL: De forma geral, você considera que esta iniciativa deve avançar para a próxima fase do Desafio e se tornar um semifinalista?

Sim, com toda a certeza! - 16.7%

Sim, acredito que sim. - 41.7%

Talvez. - 33.3%

Provavelmente não. - 8.3%

Não. - 0%

12 comments

Join the conversation:

Comment
Spam
Photo of Salvador
Team

Olá Paula e equipe ,
O Turismo CO2 Legal – Guardiões do Clima é uma iniciativa que tem como propósito implantar na atividade turística a compensação de emissões de Gases de Efeito Estufa geradas pelo trade turístico e pelos turistas, algo que será cada vez mais necessário para responder à crise climática. Os recursos da compensação financiam um conjunto de ações voltadas à conservação e restauração de florestas, à inclusão socioeconômica de grupos sociais vulneráveis e ao enfrentamento à crise climática.
Após 10 anos testando, avaliando e aprimorando o protótipo nosso próximo passo é replicar a iniciativa para outras regiões do Brasil. Nossa estratégia na replicação é estruturar uma rede de Ongs e instituições interessadas em executar o programa em suas regiões, adaptando-o às realidades locais. Vamos capacitar e assessorar as instituições para que se apropriem do conceito, metodologia e do funcionamento do programa, dando suporte técnico e operacional durante o tempo necessário à sua implantação.
Com a estruturação da Rede Turismo CO2 Legal – Guardiões do Clima existe um potencial enorme para desencadearmos um poderoso movimento no país em prol do clima, das florestas, da agricultura ecológica, do combate à pobreza no meio rural e da vida, gerando mudanças socioambientais sistêmicas e profundas a partir do turismo.
Envolver as iniciativas semifinalistas do Desafio de Inovações em Turismo Sustentável na Rede Turismo CO2 Legal – Guardiões do Clima será algo fantástico para iniciar a replicação. Neste sentido, queremos convidá-los a conhecer a iniciativa com mais propriedade e havendo interesse em participar da Rede entrar em contato através do email salvador@mecenasdavida.org.br ou pelo WhatsApp 73 999646444
https://network.changemakers.com/challenge/turismosustentavel/edicao/turismo-co2-legal-guardioes-do-clima
Gratidão pela escuta e fiquem bem.
Salvador e equipe Mecenas da Vida

View all comments