O TURISMO NA TRILHA DA SUSTENTABILIDADE II

Ações de educação ambiental continuada para disseminar conhecimentos e fortalecer o turismo comunitário nas comunidades e escolas.

Photo of Leinad Carbogim
0 3

Written by

Nome completo do(a) representante do projeto

Maria Leinad Vasconcelos Carbognin e equipe

E-mail

leinadfbc@gmail.com fbc.admfinanceiro@gmail.com

Telefone pessoal

85996429718

Nacionalidade

brasileira

Gênero

  • Feminino

Data de Nascimento

21071944

CPF (do responsável pelo projeto)

00063167867

Sede da organização (UF)

  • Ceará

CNPJ da organização (a qual o projeto está ligado)

01633987/0001-44

Site da organização

www.brasilcidadao.org.br www.deolhonaagua.org.br www.brasilcidadao.org.br /museu

Mídias sociais da organização

fbc.admfinanceiro@gmail.com Facebook.com/fundacaobrasilcidadao Facebook.com/deolhonaagua @deolhonaagua

Data em que você iniciou o projeto

Julho de 2002: início do Programa “A Teia da Sustentabilidade”.

Estágio do projeto

  • Em expansão (expandindo o impacto para muitos lugares novos ou de várias maneiras novas)

Elegibilidade I: Você atende a todos os critérios de elegibilidade?

  • Sim, eu tenho mais de 18 anos de idade.
  • Sou brasileira/o ou estrangeira/o residente no Brasil.
  • Tenho atuação direta e comprovada no projeto.
  • Não sou funcionário nem familiar de funcionários da Ashoka e da CTG Brasil.

Elegibilidade II: O projeto inscrito:

  • É um projeto já implementado e posso comprovar nas respostas, fotos e documentações a serem apresentadas nesta inscrição..
  • É um projeto que tem como foco pelo menos dois (2) dos quatro (4) pilares do turismo sustentável (social, cultural, ambiental e econômico) descritos na seção "Escopo e áreas de foco".

Ao se inscrever, você concorda que possamos apresentar seu trabalho nas mídias sociais e outras publicações da Ashoka e CTG Brasil, relacionadas ao Desafio?

  • Sim, eu concordo.

1) Viagem pessoal: qual a história por trás da decisão em iniciar este projeto?

Descobri Icapuí quando era representante UNICEF para CE e RN, na área de Direitos da Criança e Meio Ambiente. Ao me aposentar em 2000, escolhi o município para realizar um projeto de Desenvolvimento Local Sustentável a partir de uma pesquisa que fiz com 149 jovens para identificar seus sonhos. Desde então, como líder AVINA sob a coordenação de Tânia Tavares, construímos com alguns desses jovens a primeira proposta e, em 2002, desenhamos em conjunto a primeira ideia da “A Teia da Sustentabilidade”. Realizamos estudos para conhecer o território, seus limites e potencialidades, fortalecemos a proposta do projeto “Em cada casa uma estrela”, de turismo comunitário, com a formação de guias ecológicos e curso de gastronomia local coordenado pelo SENAC, com 400/h aula, e apoio da F. Vitae. Sou apaixonada pela questão social, me inspiro em Paulo Freire e isso dá um propósito à minha vida. A experiência de Icapuí foi o início de uma construção coletiva a partir da juventude, que faz a diferença.

2) O problema: que problema você está ajudando a resolver?

A partir da visão sistêmica do território, executamos o projeto focado no Desenvolvimento Local Sustentável em sintonia com os ODS da Agenda 2030 da ONU. Além de recuperar e conservar o ecossistema, contribuímos para garantir a qualidade de vida das comunidades com saneamento biológico e cisternas de captação de águas pluviais e a implantação de atividades de baixo impacto ambiental geradoras de renda como o cultivo sustentável e beneficiamento de algas e o ecoturismo de base comunitária.

3) Sua solução: como seu projeto responde a esse problema? Compartilhe sua abordagem específica.

Icapuí apresenta problemas complexos que afetam a qualidade de vida da população como a falta de acesso à água potável, de saneamento básico e de degradação ambiental, que comprometem o Desenvolvimento Local Sustentável e o cumprimento dos ODS da Agenda 2030 da ONU. Essa complexidade requer soluções sistêmicas e inovadoras, com ações que vão desde a conservação dos ecossistemas e sua biodiversidade até a geração de renda através de atividades de baixo impacto como o ecoturismo de base comunitária, que se constitui em uma solução inovadora, priorizando as comunidades locais. As tecnologias sociais desenvolvidas e implantadas são também consideradas inovadoras pelo seu caráter transformador e contribuem para a incrementar o turismo pela melhoria dos serviços. O mesmo ocorre com o cultivo sustentável de algas marinhas e seu beneficiamento através do Projeto “Mulheres de Corpo e Alga”, premiado pela Fundação Banco do Brasil de Tecnologias Sociais. Outros projetos da “Teia da Sustentabilidade” também foram selecionados e certificados como finalistas na mesma premiação. É o caso do Projeto “Polinizando o Futuro com a Criação de Abelhas Nativas sem Ferrão”, especialmente a abelha Jandaíra, importante não só para a polinização das florestas, mas também para a segurança alimentar das comunidades, constituindo-se em fonte de renda extra com a extração do mel, produto muito valorizado no mercado. O Projeto “De Olho na Água”, patrocinado pela Petrobras, também foi finalista.

4) Que tal incluir um vídeo sobre sua iniciativa?

Além de embasar sua metodologia numa visão ecossistêmica com fundamentação no conhecimento científico e tradicional, “A Teia da Sustentabilidade” se inspira e se referencia nas temáticas globais das agendas internacionais como o Protocolo de Kyoto, as Metas de Aichi, a Década da Água e nos 17 ODS – Objetivos do Desenvolvimento Sustentável. Prioriza o protagonismo das comunidades e a gestão compartilhada, sendo uma referência em desenvolvimento local sustentável.

5) Atividades: Destaque as principais atividades que você realiza no dia-a- dia do seu projeto.

As principais atividades diárias são planejadas, agendadas e realizadas por uma equipe permanente e incluem o cuidado com os viveiros, (coleta de sementes, produção de mudas, plantios); receptivo turístico ambiental de escolas, universidades e grupos; visitas guiadas nas trilhas para observação do ecossistema e sua biodiversidade; educação ambiental continuada para crianças, adolescentes e jovens; monitoramento das tecnologias sociais implantadas nas comunidades, incluídas também nos roteiros de visitação. A equipe agenda o roteiro e mobiliza as comunidades, alinhando as atividades com as áreas de interesse de cada grupo visitante: “Cultivo Sustentável de Algas Marinhas” (Projeto “Mulheres de Corpo e Alga”); “Trilhas e Gastronomia na Ponta Grossa”; “Passarela no Manguezal” ; “Meliponários”; PAIS - Programa Agroecológico Integrado Sustentável (hortas em mandala consorciadas com criação de galinhas, pousadas e gastronomia regional) e os museus particulares( museologia social).

6) Inovação: Qual inovação sua iniciativa está desenvolvendo ou adaptando para solucionar problemas na área do turismo? Como se diferencia de outras iniciativas no setor?

“A Teia da Sustentabilidade” tem sua fundamentação no conhecimento ecossistêmico do território, científico e popular, nas demandas sociais qualificadas das comunidades, constituindo-se por isso em uma solução inovadora, que prioriza os atores locais e seu protagonismo nas decisões sobre os usos do seu território, evitando especulações, principalmente imobiliárias. As tecnologias sociais desenvolvidas e implantadas são também consideradas inovadoras pelo seu caráter transformador como o cultivo sustentável de algas marinhas e seu beneficiamento através do Projeto “Mulheres de Corpo e Alga”. Como é também o caso do Projeto “Polinizando o Futuro”, que contribui para a polinização das florestas, para a segurança alimentar e é fonte de renda, projeto listado na seleção BVSA/BOVESPA 2012. A sustentabilidade provém do envolvimento participativo das comunidades na identificação dos seus problemas e necessidades e das possíveis soluções sistêmicas, focadas na conservação do seu patrimônio natural e em atividades geradoras de renda de baixo impacto ambiental e na arte e educação para a mudança de atitude. As comunidades são protagonistas das próprias decisões e processos, preservando sua cultura e identidade. O diferencial dessa abordagem é a compreensão das conexões da “Teia da Vida” e o entendimento das redes de relações, que criam bases sustentáveis de se viver em harmonia com a natureza e preservar o patrimônio natural, proporcionando o verdadeiro turismo de experiência.

7) a) Pilares do Turismo sustentável: Quais dos seguintes pilares do Turismo Sustentável o seu projeto contempla?

  • Social - iniciativas que melhorem a qualidade de vida das comunidades envolvidas, que sejam capazes de contribuir em aspectos da educação, saúde, articulação social, diversidade e atuação das comunidades.  
  • Cultural - iniciativas que valorizem as identidades e culturas locais, a preservação das histórias e os saberes tradicionais.  
  • Ambiental - iniciativas que reduzam o impacto ambiental, que ofereçam soluções de compensação, que cuidem da conservação e do uso de recursos naturais, que se proponham a regenerar áreas degradadas e que promovam educação e sensibilização ambiental.     
  • Econômico - iniciativas que atuem a partir da proposta de desenvolvimento local, que gerem emprego e renda localmente, que valorizem fornecedores locais, que construam parcerias e que fortaleçam redes de produção e serviços junto a outros agentes locais.  

7) b) Pilares do Turismo Sustentável: explique como os pilares que sinalizou na pergunta anterior estão presentes na implementação do seu projeto.

“A Teia da Sustentabilidade” engloba os aspectos social, cultural, econômico e ambiental e, a partir da visão ecossistêmica do território, do conhecimento científico e popular, desenvolve suas práticas. Nossas diretrizes: gestão ambiental, atividades econômicas de baixo impacto, mudança de atitude, processos nos quais arte, educação e transformação social se dão de forma transversal. O fortalecimento das instituições sociais com as quais trabalhamos nos levou a criar o Fórum de Mulheres e a Associação de Pequenos Produtores/as de Icapuí. Registramos nas 34 comunidades a história e memória de cada uma delas, o levantamento do patrimônio da cultura material e imaterial, identificamos lideranças, potencialidades e iniciativas de museologia social. Os resultados estão no livro “Memória Viva de Icapuí” e no site "Memória viva dos povos do mar de Icapuí”. A produção de material, além do Atlas Geofísico e Atlas Socioambiental, cartilhas e estudos, inclui também o “Plano de enfrentamentos às urgências climáticas”, elaborado com a participação das comunidades. Assim, o pilar ambiental está representado nas ações de educação ambiental continuada, nas práticas de conservação com a recuperação de áreas degradadas e na implantação de tecnologias sociais. Socialmente, o Projeto melhora a qualidade de vida das pessoas; culturalmente, valoriza a história e a identidade locais e, economicamente, contribui para a geração de renda com atividades de baixo impacto.

8) Impacto: quais impactos seu projeto causou até agora? Considere impactos internos na estabilidade da sua organização e externos em relação ao pilares do turismo sustentável, utilize dados

Os impactos relacionados aos pilares do turismo sustentável podem ser avaliados pelo número de pousadas comunitárias e pela total ausência de grandes empreendimentos. Os impactos ambientais podem ser medidos pelos resultados da recuperação de 11 ha de manguezal. a redução das emissões de CO2. Foram 1.872.000 kg de carbono capturado, o que equivale a 1.872 toneladas/ano de carbono retiradas da atmosfera, em média. O impacto da “A Teia da Sustentabilidade” na estabilidade da organização se reflete no reconhecimento público, que confere legitimidade e gera visibilidade, fortalecendo-a institucionalmente. A exposição na mídia espontânea e a representatividade dos patrocínios revelam isso, bem como os destaques e premiações, que transformaram a FBC numa referência em desenvolvimento local sustentável: Prêmio Muriqui Pessoa Jurídica 2017 pela RBMA; seleção no ranking de “Soluções Inovadoras Para o Desenvolvimento Sustentável 2019” do IDS; prêmio Banco do Brasil de Tecnologias Sociais; Selo de Qualidade Mata Atlântica na Rio+20; projeto listado na BVSA/BOVESPA 2012; TEDx Amazônia e GLOCAL em Portugal.

9) Estratégias de crescimento: Quais são seus planos para fomentar o crescimento de sua iniciativa?

A nossa estratégia sempre foi e será articular parcerias, reunir competências, implantar tecnologias já testadas e atuar em rede. Nessa perspectiva, estamos a ampliando o Projeto “A Teia da Sustentabilidade” para Mossoró/RN, dada a proximidade de Icapuí, e sua influência no município por conta das Universidades, mas, e sobretudo, pelas demandas e convites de comunidades nas áreas de impacto da Petrobras, nosso mais importante patrocinador. Com relação especificamente ao turismo temos parceria com a Rede Tucum de Turismo Comunitário, AQUASIS, Associação Caiçara de Promoção Humana de Icapuí e Associação Tremembé de Trento, numa proposta de fortalecimentos das comunidades. Outra parceria em construção é com a Moeda Seeds, numa proposta de investimento social para a sustentabilidade, com o Projeto “Mulheres de Corpo e Alga”, através da implantação do sistema blockchain, ampliando o alcance para os produtos à base de algas marinhas.

10) Colaboração: como a sua iniciativa colabora com outros atores (governos, universidades, empresas, associações da sociedade civil) para fazer a diferença? Você realiza alguma parceria?

Nossa diferença é saber que é importante colaborar e receber colaboração, conjugando o verbo nos tempos plurais, na primeira pessoa do plural, sobretudo. Sejamos constelação! Com certeza essa é a lição maior desse tempo de pandemia, o exercício da solidariedade. Em nossa trajetória estabelecemos parceria com várias Universidades como USP, UFC, UFERSA e UFRN; Brazil Foundation; Fundação AVINA; Fundação Grupo O Boticário de Proteção à Natureza; RBMA; Museu da Pessoa; Fundação Casa Grande - Museu Homem Kariri; AQUASIS; Associação Caiçara de Promoção Humana; Rede TUCUM; Petrobras Sócio Ambiental; Governo do Estado do Ceará; Prefeitura Municipal de Icapuí; Comarca de Icapuí; FDID Nacional – Direitos Difusos; MINC/ IBRAM; Instituto Herbert de Sousa; Aliança Empreendedora Santander; TAM; BOVESPA (BVSA) e UNESCO. As evidências estão nas publicações e site.

11) Inspirar novos agentes de transformação: você tem influenciado outras organizações e pessoas a se envolverem no seu projeto e/ou a se preocuparem com o Turismo Sustentável? Se sim, como?

Icapuí é um município sedutor, dispõe de um patrimônio natural exuberante de raras belezas naturais, rica biodiversidade, cultura, história e memória que foram sempre nosso desafio. “A Teia da Sustentabilidade” nasceu com o propósito de manter a integridade do território e foi construída com os jovens a partir de uma pesquisa sobre “sonhos”. Nossa primeira publicação foi “Cidadania e Sustentabilidade – Desenvolvimento em todos os sentidos” – Fortaleza/CE, ed. Brasil Cidadão, 2004 – ISBN 85-98564-01x, 9788598564012. A partir daí, diversas instituições nos procuraram para apoiar projetos como a Aliança com a Juventude, a Aliança Santander, o Instituto Herbert de Sousa, o Consulado da Mulher e outros. Frequentemente, somos convidados a participar de eventos, lives, palestras, sempre tendo “A Teia da Sustentabilidade” como referência em educação ambiental continuada, na implantação e difusão de tecnologias sociais.

12) a)Quais dos seguintes recursos sua organização obteve até o momento?

  • Vendas
  • Mentores / conselheiros
  • Participação em programas de incubação e aceleração
  • Prêmios
  • MULTASDE MEDIDAS COMPENSATÓRIAS DA COMARCA DE ICAPUI

12) b) Planejamento Financeiro: como você planeja financiar o seu projeto a curto, médio e longo prazo?

75 % editais 10% % doações crowdfunding 15% serviços, vendas de mudas e livros multas da Comarca de Icapuí.

12) c) Quanto você já investiu no seu projeto para a operação deste ano?

  • Investimento entre R$100.000 e R$500.000

12) d) Qual é o orçamento necessário para o funcionamento do seu projeto durante 1 ano?

  • acima de R$ 100.000

13) Equipe: qual é a atual composição da sua equipe (papéis, qualificação, tempo integral x temporários, etc)? Como essa composição se transformará no futuro do seu projeto?

Antônio Jeovah Meireles. Dr. em Geografia UFC. Coordenador científico. André Luís Braga – doutorando, Mestre em biologia, 8 anos exp. Monitor. Ana Paula Silva Lima - Mestre em Ciências Sociais, exp. de 10, anos, assessora grupos de mulheres, gênero e empreendedorismo. Adriano Pedro da Silva - graduado Gestão Ambiental e Música, exp. de 10 anos. Carol Barbosa da Silva -Turismóloga, esp. Educação Ambiental no IFRN. Monitora e receptiva da FBC. José Maria Damasceno Silva Neto, Mestre em Biologia e 6 anos na FBC. José Arimateia da Silva, doutorando em Geografia UFC e exp. na FBC 4 anos. Maria Leinad Carbognin -socióloga, PUC/SP. Trabalhou no UNICEF. Diretora Executiva da FBC e Coordenadora Geral de Projetos. Thaís Torquato - Agente Ambiental, especializando em Educação Ambiental, no IFRN, monitora e receptiva ambiental, 3 anos na FBC. Sandra Barros -Ciências Contábeis e MBA em auditoria exp. 10 anos. Temos voluntários; estagiários, serviços prestados por pessoa física, CLT e assessorias.

14) Diversidade na equipe: descreva a diversidade de sua equipe e inclua informações sobre a distribuição de cargos.

A equipe envolvida na “A Teia da Sustentabilidade” é bastante diversa e, em sua maioria, são oriundos de famílias de pescadores, sendo 50% mulheres, 90% descendentes de quilombolas e indígenas. 70% da equipe é formada por jovens de Icapuí, prioridade em nossas seleções. A distribuição de cargos obedece a critérios de qualificação técnica e profissional, identificação com os objetivos e metas da organização e seus projetos, capacidade de trabalhar em equipe e sintonia com os valores éticos.

15) a) Diversidade do público de sua iniciativa: o seu projeto tem como foco específico algum dos seguintes grupos?

  • Comunidade rural
  • Comunidade indígena
  • Comunidade quilombola
  • Outra Comunidade Tradicional

15) b) Diversidade de público da iniciativa: Dê exemplos reais de como o seu projeto está conseguindo impactar todos os grupos que você indicou na pergunta anterior.

Nosso público envolve famílias de pescadores, jovens, crianças e adolescentes e mulheres na perspectiva da inclusão social e econômica. Nas comunidades, ao trabalhar com memória e história, consideramos os grupos intergeracionais, fortalecendo lideranças e saberes, histórias de ontem e perspectivas do amanhã integrando adultos, jovens e crianças. Ver: “Memória Viva de Icapuí”, Ed. Fundação Brasil Cidadão, 2013, ISBN 978-8598564-11- ou em PDF no site da FBC, e Atlas Socioambiental de Icapuí. Além da inclusão social, digital, acontece também a inclusão das mulheres no mercado de trabalho com a produção de cosméticos e alimentos; pequenos restaurantes e pousadas; gastronomia regional e artesanato. Os impactos do Projeto podem ser percebidos na melhoria da qualidade de vida da população com o saneamento biológico; nas oportunidades de acesso à universidade para os jovens; na autoestima e integração das mulheres no mercado e no aumento das atividades turísticas com pousadas.

16) Como você soube desse desafio?

  • Indicação de um Fellow Ashoka

Find this idea inspiring? Add your own!

0 comments

Join the conversation:

Comment